sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Natal Jardim Infância D. José da Costa Nunes: década 1950

É mais um inédito exlusivo do "Macau Antigo" a encerrar com 'chave de ouro' 2010 e dois anos de existência do blog. Obrigado Reinaldo... por partilhar as memórias da sua infância em Macau!Votos de um próspero 2011 para si e para todos os 'visitantes' que já são quase 220 mil!




"Li com muito interesse o texto de Leonel Barros, e a propósito do parágrafo em que fala das festas de Natal na  escola infantil D. José da Costa Nunes, que eu frequentei, envio 4 fotografias: as duas primeiras estão datadas de 23/12/1955 (as mais estragadas) e as outras duas não têm data, mas são anteriores a 55, eventualmente de 1953."
Reinaldo Amarante

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Testemunho de Ben Hall: Macau/Taipa em 1979



Ben Hall, à esquerda, de t-shirt castanha
Av. Conselheiro Ferreira de Almeida

Hotel  Lisboa
 

Taipa: ao fundo o cineteatro 

Ben Hall tinha apenas 7 anos quando visitou - juntamente com os pais - Macau pela primeira vez. Foi no Verão de 1979 que aconteceu a viagem da vizinha colónia britânica.
Segue-se o seu testemunho e as suas fotos. Obrigado!
Those photos were taken by my father. He was an architect for the Hong Kong housing authority. This was the first time we visited Macau and my father was interested in the older buildings. From my point of view, aged 7, it was a little like visiting part of Europe. So different from Hong Kong in many ways. It was the first time I tasted sparkling white wine.
Ben Hall, West Sussex, United Kingdom in December 2010

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Natal macaense por Leonel Barros

“A quadra festiva do Natal era assinalada, como de costume, com a tradicional Missa do Galo nas igrejas, exposição de presépio e a presença de árvores de Natal nas escolas e instituições de caridade. As igrejas paroquiais de Macau e as restantes enchiam-se de fiéis, na noite de 24, para a tradicional Missa do Galo, umas cantadas e outras rezadas. As missas eram acompanhadas de cânticos próprios da quadra. (...)
As congregações marianas concentravam-se na Igreja de São Domingos, onde assistiam à missa, que era acompanhada de cânticos. Nesta igreja, como nas restantes, havia uma grande afluência de fiéis à mesa da Comunhão e à cerimónia de ‘beijar o Menino Jesus’.
Em várias escolas, oficiais e particulares, faziam-se festas de Natal, com distribuição de prendas aos seus alunos. Na escola infantil D. José da Costa Nunes havia também uma festa. As crianças desta escola levavam a efeito um engraçado programa de variedades, com cantorias e danças, todas vestidas com trajes regionais, e outros entretenimentos infantis de boa disposição e alegria.
No dia 31 de Dezembro, o último dia do ano, era tradição cantar um Te Deum em quase todas as igrejas. O Te Deum dá graças ao Altíssimo por mais um ano que passou e implora ainda a bênção para o novo ano que vai começar e que, na vida da Humanidade, é incógnita difícil de prever ou de calcular.”
in “Igrejas de Macau e Cerimónias Religiosas”, da autoria de Leonel Barros, editado pela APIM, em Novembro de 2010

domingo, 26 de dezembro de 2010

Moeda de 10 Yuan - RPChina, 1999

1999, Brass Center in a Copper-Nickel ring, 10 Yuan from China
Moeda de 10 Yuan que assinala o regresso de Macau à "Mãe-Pátria" em 20-12-1999

sábado, 25 de dezembro de 2010

O Natal... de antigamente - Parte 2

(,,,) O Natal foi sempre festejado com grande pompa, não faltando famílias que recebessem, em seus verdadeiros solares, todos os seus amigos,, oferecendo-lhes ceias pantagruélicas a que todos assistiam, finda a missa do galo, à qual não faltava um só." (...)
in "Macau" de Francisco Carvalho e Rêgo, IN., 1950, pág. 87
Largo do Senado no anos 80: foto de Allan Chu
O autor refere-se à realidade de Macau no início do século XX, embora ao tempo em que o livro foi escrito, 1950, pouco se tivesse alterado. Incluindo o hábito de na vasta doçaria da gastronomia macaense colocar à mesa a bebinca (creme de leite de côco tostado no forno) de lei de aqui deixo a receita.
Ingredientes:
1 chávena de maizena / 4 chávenas de leite / 2 chávenas de água de coco / 2 chávenas de açúcar / 6 gemas / 2 colheres de sopa de manteiga / ½ colher de chá de sal.

Bater as gemas com o açúcar, juntar depois os restantes ingredientes e, por fim, o leite aquecido. Levar ao lume para engrossar e depois vazar num “pyrex” e alourar no grelhador do forno.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Cartão Boas Festas: revista "Mosaico", 1950

Cartão de Boas Festas publicado na revista "Mosaico", edição nº 4, de Dezembro de 1950
A revista Mosaico foi editada pelo Círculo Cultural de Macau na década de 50 do século passado. O Círculo Cultural foi criado em 1950 com a finalidade de “promover a divulgação da cultura artístico-literária, especialmente a portuguesa… e tornar Macau, sob todos os seus múltiplos aspectos, melhor e mais perfeitamente conhecida na Metrópole, nas restantes colónias portuguesas e em todos os pontos do mundo onde se fale a língua-pátria.” A força motora desta iniciativa foi o Dr. Pedro José Lobo, uma espécie de mecenas de Macau, enquanto o sinólogo Luis Gonzaga Gomes esteve também muito envolvido. Para além da publicação da revista trilingue Mosaico (português, chinês e inglês), o Círculo Cultural realizou actuações em palco, organizou debates e exposições, promoveu actividades desportivas e emissões radiofónicas.
Texto e imagem do Arquivo Histórico de Macau
NA: sobre esta revista já publiquei alguns posts bem como sobre um dos seus fundadores, José Neves Catela. Entretanto, consegui mais informações que colocarei online nos próximos tempos.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Boas festas!

Feliz Natal e um próspero Ano Novo 

Feliz navidad y próspero año nuevo 
Joyeux Noël et bonne année 
Merry Christmas and a Happy New Year 
Buon Natale e Felice Anno Nuovo 
圣诞快乐!新年快乐 
Fröhliche Weihnachten und ein gutes neues Jahr

Baía da Praia Grande: década 1970


O presente do Macau Antigo para este Natal é um exemplar do livro "Liceu de Macau 1893-1999". Para o receber basta tornar-se membro/seguidor do blog até dia 15 de Janeiro 2011 e enviar um e-mail com o nome e morada para macauantigo@gmail.com.
Só terão de pagar os portes por transferência bancária:
Portugal 5 euros / Resto do mundo: 15 euros
Ca. 1960

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Natal... de antigamente - parte 1

O facto de Portugal e Macau se localizarem no hemisfério norte origina a partilha das mesmas estações do ano ainda que com significativas diferenças. É assim que por terras do Oriente o Natal também é frio, mas raramente com temperaturas tão baixas como em terras atlânticas.
Serve a introdução para 'situar' a época natalícia num território em que a maioria da população não é, nem nunca foi, católica. Um facto que a toponímica local parece desmentir mas a mais pura das verdades. Mas voltemos às tradições natalícias dos católicos em Macau.
Desde o início do século XX e até cerca da década de 1970 era assim o mês de Dezembro em Macau na comunidade dita católica, portuguesa e macaense. O primeiro domingo era dedicado à primeira comunhão (na Sé Catedral) e logo a seguir iniciavam-se os preparativos para o Natal, uma época muito celebrada por portugueses e macaenses e cujo ponto alto culminava com a Missa do Galo. Até ao Dia de Reis visitavam-se amigos e familiares e logo depois surgiria o Ano Novo Chinês, o Carnaval, etc.. A cidade vivia ao sabor dos eventos do calendário das duas comunidades...
Só a partir da década de 1980 com a massificação/globalização do fenómeno do natal enquanto acto consumista as festividades passaram, a ser visíveis nas ruas. Antes, era mais uma celebração religiosa que impunha recato e era vivida no seio das famílias ou no interior das igrejas. Em 2008 o jornal Hoje Macau dedicou um artigo a essas tradições de onde transcrevo alguns excertos.
Manhã  de nevoeiro(de Dezembro?)
cruzamento da Praia Grande com a Rua do Campo
Foto de Lei Ioc Tin em 1958
"Ele é o bicho-bicho, a bebinca de leite, o ladu, os genetes, e o coscurão. O alua, o tacho, a sopa lacassá. Come-se o diabo à mesa macaense, no dia de Natal, e na noite de Consoada junto ao azinheiro distribuem-se prendas aos garotos. Os mais religiosos assistem à missa do Galo (há quanto tempo não se lá canta o patuá! E há quanto tempo se perdeu a missa em português, em São Lázaro?). Entre a comunidade macaense, a época de Natal é um tempo para estar junto, partilhar a mesa e os outros, “mesmo na China, onde o Natal não se encontra tão perto do coração”, repara António José Freitas, presidente da Santa Casa da Misericórdia.
Macau é a excepção a essa maior distância chinesa relativamente à celebração da natividade. Entre a comunidade macaense,Natal é a festa maior, época por excelência das “comizainas” (expressão do patuá) e dos convívios entre familiares e amigos. Há todo um receituário de pratos e doces, alguns caídos em desuso, que assinalam a data.
Natal é também tempo de recordações mágicas da infância, de troca de presentes e, numa cultura em que a fé católica tem um papel importante, de uma religiosidade patente nas concorridíssimas missas do galo.
Miguel Senna Fernandes recorda saudosamente as iguarias de sua avó, “exímia cozinheira”, as casas familiares cheias de gente e a expectativa infantil relativamente aos presentes: “A certa altura nós já sabíamos que não existia o Pai Natal, mas fazíamos os pedidos à mesma e fingíamos acreditar que era ele que nos vinha pôr presentes dentro da meia.” O advogado lembra com um sorriso as caixas que se embrulhavam para colocar junto à árvore de Natal (que em Macau costuma ser um azinheiro e não um pinheiro) para que parecessem muitas as prendas. De ano para ano, continua a repetir-se todo um ritual de enfeite das casas: “Na minha família, existe um certo simbolismo relacionado com os enfeites de Natal. Há a bola que foi comprada quando nasceu o irmão, ou as fitas que se relacionam com uma qualquer efeméride.”
Enquanto, actualmente, proliferam as festas das empresas e escolas, há algumas décadas os dias anteriores ao Natal eram marcados por uma intensa agenda de saraus organizados por agremiações como o Clube Militar, o Clube dos Sargentos ou o Clube Melco. A mais badalada era a festa do Clube Macau – um dos baluartes das tradições macaenses, actualmente inactivo - que decorria no Teatro D. Pedro V e incluía récitas, música, troca de prendas e, claro, muita comida e bebida. Eram encontros memoráveis, “que deixaram de existir há muito tempo, talvez devido à falta de interesse dos próprios dirigentes dos clubes que as organizavam”, comenta Francisco Manhão, presidente da Associação dos Aposentados, Reformados e Pensionistas de Macau.
Mesa farta
O auge das celebrações acontece na noite da consoada. Para as crianças, porque é altura de receberem os presentes. No caso dos adultos, principalmente porque é quando acontece o convívio com os familiares mais próximos e se “tira a barriga da fome”. Os mais religiosos têm nessa noite a solene missa do galo, que assinala o nascimento de Cristo.
Depois da missa do galo, as famílias reúnem-se em volta da farta ceia de Natal. O espírito convivial é exacerbado nesta ocasião, pois, como refere Cecília Jorge no livro “À Mesa da Diáspora”, “os pratos mais tradicionais da cozinhaçã macaísta reflectem, ainda hoje, a forte tendência para o fruir de uma refeição em conjunto: o gosto da mesa partilhada com família e amigos”. A ceia é reflexo do espírito eclético do macaense, com receitas mais próximas da gastronomia portuguesa, mas sempre produto de uma mistura com ingredientes orientais.
Começa-se por comer canja de galinha, sopa lacassá (uma sopa de aletria de arroz, com balichão, tempero originário da Malásia, que é feito à base de camarão minúsculo e leva folhas de louro, sal, cravinho, pimenta preta em grão e vinho). Segue-se o inevitável bacalhau (que em muitas casas não é servido cozido, como acontece em Portugal) e uma panóplia de outros pratos. José Luís Sales Marques destaca de entre eles o tacho, que é uma espécie de cozido à portuguesa onde entram os ingredientes chineses, tais como as pequenas couves, presunto chinês, frango, chouriço chinês e pele de porco frita. O último presidente do Leal Senado menciona também petiscos como a perna de presunto chinês e a empada de peixe, que é recheada com lascas de garoupa temperada com especiarias, pinhões e azeitonas picadas.
Em relação a doces, a culinária macaense riquíssima. Há doces portugueses – como as filhozes, as broas de mel, as rabanadas, os sonhos – e muitas receitas parecidas, como é o caso do cabelo de noiva, que é uma espécie de ovos moles. Outras guloseimas estão mais ligadas ao Oriente e à Índia, como o coscurão (laço feito com mel), o farte (massa fina frita recheada com coco ralado, pinhões, amêndoa, biscoitos moídos, cravinho em pó e manteiga) e o alua (massa fina frita recheada com coco ralado, jagra, amêndoa moída, pinhões cortados e manteiga) que, de acordo com Cecília Jorge, “formam o trio de doces natalícios mais simbólicos da religiosidade dos macaenses, já que são presença (dantes obrigatória) nas mesas festivas, por representarem o lençol (coscurão), o travesseiro (farte) e o colchão (alua) do menino Jesus”.
Outros mimos incluem o ladu, a bebinca de leite (parecida com leite creme), o bicho-bicho (bolas de farinha) e os genetes. Estes últimos são biscoitos de fécula de milho, ovos e manteiga, que podem também ter queijo em pó. Muito procurados durante a quadra natalícia, quando são bem feitos desfazem-se com facilidade na boca, como se se derretessem.
Bolo rei é recente
Não há em Macau a tradição do bolo-rei, que aqui foi introduzido recentemente. O mais parecido é o chamado cake. Provavelmente de origem inglesa, é feito à base de frutos secos. Tem a forma de um pequeno quadrado e conserva-se durante muito tempo. Senna Fernandes encomenda todos os anos o bolo menino (assim nomeado em homenagem ao menino Jesus), uma espécie de pão de ló enriquecido com coco e farinha de feijão, que é o seu preferido de entre este rol de doces.
A festa continua rija no dia de Natal e nos seguintes, quando se fazem as visitas a casa dos tios, dos avós e dos amigos mais chegados. É usual então comer-se o diabo, que é outro dos pratos mais tradicionais da comunidade. Um pouco à semelhança da roupa velha portuguesa, consiste no aproveitamento dos restos da ceia de Natal. É cozido com carne de vaca, galinha e alguns ingredientes chineses. E assim se comemora o Natal por terras macaenses. Há mudanças, mas, como frisa Francisco Manhão, as famílias vão mantendo as tradições. No seu caso, reúnem-se para a ceia umas quarenta pessoas. Uma grande festa.
Largo Leal Senado: década 1980 - Foto de Allan Chu

"Dezembro era um mês festivo. O primeiro domingo era dedicado à Primeira Comunhão, uma cerimónia tocante na Sé Catedral, onde se ajoelhavam, nervosos, dezenas de novos comungantes de ambos os sexos, de todas as paróquias da cidade. Havia, então, festa pela tarde fora, correndo-se dum lado para o outro para satisfazer todos os convites, não fossem os pais dos comungantes ficarem ofendidos.
Logo a seguir, vinham os preparativos para o Natal, as donas de casa atarefadas na cozinha, na confecção do aluar, dos coscorões, empadas e fartes, os costumados doces da época. Encomendavam-se o peru e outras carnes de Hong Kong e, em casa do meu Avô materno, não podia faltar o empadão gelatinado de peças de caça, o famoso ‘game-pie’ da Lane Crawford. Encomendavam-se também à loja de Omar Moosa, mais conhecido por Kassam, figura prestigiosa e mais destacada da larga comunidade moura de Macau, loja esta sita, primeiro, na Rua Central e, mais tarde, na Avenida Almeida Ribeiro do galo’ desse tempo, o jantar de Natal, o deslumbramento dos brinquedos, a mesa repleta de iguarias, onde se comia à tripa forra, a alacridade e as gargalhadas dos familiares, ainda se repercutem na minha saudade. 
Os dias seguintes até os Reis, com quebra no dia do Ano Bom, eram dedicados aos amigos e conhecidos. Ia-se de casa em casa, apenas para um cálice de vinho do Porto ou para deixar cartões à entrada. Para isso, organizavam-se, de antemão, listas para que ninguém fosse esquecido."
Testemunho de Henrique Senna Fernandes - em 1983 - sobre os hábitos da comunidade macaense.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Bandeira da RAEM


No dia em que se assinalam os primeiros 11 anos da RAEM... e em que esta bandeira foi desfraldada ao som da língua portuguesa fruto da secular tradição militar em expressões como "Direita volver!", "Passo em frente!", "Esquerda volver!", "Ombro arma!", "Descansar arma!", "Olhar em frente!". Especificidades de uma terra onde a maioria da população fala cantonense. Mas, deixemos as curiosidades actuais para partir à procura das origens da actual bandeira.
Notícia do "Jornal de Macau" de 13-12-1990
"A bandeira e o emblema da futura Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) vão ser encontrados através de um concurso entre artistas do Território, anunciou o presidente da Comissão de Redacção da Lei Básica. Ji Pengfei esclareceu que esse é o sentido da proposta avançada pela Comissão Especializada de "Cultura e Assuntos Sociais" da Comissão de Redacção, num documento intitulado "Metodologia para a selecção de propostas para a bandeira e o emblema da RAEM". De acordo com o documento da Comissão Especializada, os trabalhos a apresentação pelos artistas de Macau no âmbito do concurso para a bandeira e o emblema da futura RAEM terão de obedecer a três princípios: A bandeira e o emblema, nomeadamente, devem transmitir a ideia de "um país dois sistemas", conter elementos característicos de Macau e ser esteticamente aceitável. A proposta da Comissão Especializada será apreciada numa reunião plenária da Comissão de Redacção da Lei Básica de Macau no próximo sábado."
Esta bandeira, aprovada em 1993 (31-3-1993) passou a ser utilizada a partir de 20 de Dezembro de 1999. 
Sobre a cor verde um lótus branco sobre uma representação estilizada da ponte entre a ilha de Taipa e a cidade e do mar entre elas, também a branco. Em cima, cinco estrelas amarelas de cinco pontas, sendo uma maior que as restantes, numa 'ligação' à bandeira da República Popular da China, à semelhança do que acontece com a bandeira da Região Especial de Hong Kong.
A título de curiosidade, refira-se que de acordo com lei, "quem, publicamente, por palavras, gestos, divulgação de escrito ou outro meio de comunicação com o público, ultrajar a bandeira ou o emblema regionais, ou faltar ao respeito que lhes é devido, é punido com pena de prisão até 2 anos ou pena de multa até 240 dias." É considerado "falta de respeito à bandeira e ao emblema regionais o acto de os queimar, danificar, pintar, sujar ou pisar."
NA: noutro post estão imagens de algumas ideias lançada a concurso

domingo, 19 de dezembro de 2010

HSF e a 1ª viagem a Portugal


Inicio com este post algumas memórias avulso deixadas em diversas entrevistas por Henrique de Senna Fernandes. Este post refere-se à sua primeira viagem a Portugal para onde foi estudar, direito, em Coimbra. Terminara o Liceu em 1942 mas as circunstância da guerra obrigaram-no a ficar no território por mais cinco anos a trabalhar.
"A minha primeira viagem a Portugal foi no segundo transporte que se fez de Macau para lá, depois da grande guerra (1947). Foi no velho Lourenço Marques. Gastámos cinquenta e tal dias de viagem. O barco tinha um grande arcaboiço para resistir às ondas, mas era muito sujo. Nós, os estudantes, íamos em terceira classe suplementar. Parece que estou a ver aquele reboliço no fundo do barco, onde estávamos todos misturados com os soldados que tinham terminado a sua comissão, depois da guerra. Era como que um transporte de refugiados. Passámos por coisas horríveis! O barco era lento e tão lento que nós dizíamos que ele andava três metros por segundo, recuava dois e avançava portanto um metro. Apanhei a monção do Índico. Quando chegámos a Colombo e a Cochim já havia a ideia de uma revolta e desembarcámos num bairro indiano. Fiquei com uma péssima da Índia porque só vi misérias."

De acordo com o anúncio da empresa publicado na revista O Mundo Português, número 86, de Fevereiro de 1941, a Companhia Nacional de Navegação mandou construir na década de 1930 quase vinte mil toneladas, correspondentes aos navios Quanza (6.000), S. Thomé (9.100), Inharrime (1.665) e Tagus (1.600). O anúncio informa ainda que, no início desse ano, a CNN dispunha também dos navios Nyassa (9.000), Angola (8.300), Cubango (8.300), Lourenço Marques (6.400), Cabo Verde (6.200), Congo (5.000),Luabo (1.385), Chinde (1.382) e Save (763). Em Moçambique prestavam serviço costeiro as unidades Chinde, Luaboe Save, destinando-se o navio Inharrime ao serviço de cabotagem.
Os navios Angola, Nyassa e Quanza serviam a linha rápida da África Oriental, destinando-se os navios Lourenço Marques e S. Thomé à linha rápida da África Ocidental. As unidades Cabo Verde e Cubango desempenhavam serviço de carga também na África Ocidental.
Dos restantes, o navio Tagus prestava serviço de cabotagem entre o Porto e Lisboa e o navio Congo encontrava-se de reserva em Lisboa. O serviço de carga e passageiros para a África Oriental partia mensalmente de Lisboa no dia 30 e o serviço para a África Ocidental tinha também a mesma periodicidade, partindo no dia 6 de cada mês.

Postal de ca. de 1950

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Carlos Pinto Coelho: 1944-2010

Eu e o CPC em Fevereiro de 2010 nos estúdios Tcha Tcha Tcha em Miraflores/Algés para mais uma gravação do programa de rádio "E Agora Acontece" emitido em mais de 80 rádios em Portugal, Espanha e Macau) em que o prato forte foi... Macau.
A entrevista versou o blog Macau Antigo e o livro "Liceu de Macau 1893-1999". Nessa manhã, tão fria como a do dia em que tomei conhecimento da sua morte, o Carlos dizia-me que era de Macau que o programa recebia mais 'feedback'.
Um exemplo de profissionalismo com quem tive a honra de conviver, trabalhar e aprender. Obrigado Carlos! JB

Oito novas edições do IIM


“Na senda de iniciativas idênticas de Encontros anteriores, o IIM lança, agora, mais obras que valorizam a memória e dignificam a comunidade”. Palavras de apresentação na sessão realizada em 28/11/2010.
Nos Encontros das Comunidades Macaenses realizados após o estabelecimento da RAEM, o Instituto Internacional de Macau (IIM) assumiu a organização de sessões culturais, nas quais, entre outras actividades, foram apresentadas novas edições relacionadas com a vida e a memória da comunidade macaense. O mesmo aconteceu agora, quando dez novos volumes, saídos do prelo nas últimas semanas, foram lançados numa bonita e concorrida sessão levada a efeito no Teatro D. Pedro V, logo no primeiro dia do Encontro de 2010. Como foi referido na ocasião, são “obras que valorizam a memória e dignificam a comunidade”. São estes os livros, disponíveis já na Livraria Portuguesa e na secretaria do IIM:
Páginas da História de Macau
Reedição há muito desejada, esta compilação de artigos de Luís Gonzaga Gomes, que ele próprio reunira em livro da colecção “Notícias de Macau”, em 1966, vai ser um sucesso editorial. A primeira edição é uma raridade e muitos são os que querem ter acesso à obra, que contém relatos de ocorrências relevantes nesta Cidade do Nome de Deus e de algumas façanhas verdadeiramente épicas, incluindo histórias sobre os piratas que atribulavam os mares do Sul da China. As descrições de Luís Gonzaga Gomes permitem-nos conhecer e compreender a maneira de viver da população de Macau e factos determinantes da história do território. No centenário do nascimento de Luís Gonzaga Gomes, ocorrido há três anos, o IIM assumiu a liderança na promoção e coordenação das pertinentes celebrações e estimulou a publicação de trabalhos sobre a sua vida e obra, bem como a reedição dos seus livros. As entidades oficiais alhearam-se, lamentavelmente, da efeméride, mas as organizações macaenses e associações locais de matriz portuguesa responderam positivamente à chamada, prestando uma justíssima e oportuna homenagem ao professor, escritor e historiador macaense, reconhecido como o maior promotor do intercâmbio cultural luso-chinês. Esta reedição de “Páginas da História de Macau”, que tem mais de 350 páginas e uma vistosa capa da jovem designer macaense Ângela Canavarro Ramos, integra-se no espírito daquelas celebrações.
A Derrota dos Holandeses em 1622
É o volume XVI da colecção “Mosaico”, do IIM, e um dos 36 artigos que fazem parte das “Páginas da História de Macau”, de Luís Gonzaga Gomes. Autonomizou-se este artigo em opúsculo próprio para corresponder a pedidos de Casas de Macau, de professores e de participantes nas festas de S. João Baptista, antigo Dia da Cidade, que os portugueses de Macau continuam a comemorar. Foi no dia 24 de Junho que a esquadra holandesa sofreu pesada derrota no seu terceiro e último ataque a Macau e Luís Gonzaga Gomes deixou-nos este relato assaz vivo e completo dos acontecimentos e do júbilo da população com tão significativa e decisiva vitória.
Postal Praya Grande: final séc. XIX / início séc. XX
A Professora Graciete Batalha
Mais um volume da colecção “Mosaico”, este trabalho do professor António Aresta, presentemente colocado na Escola Secundária de Paredes (Portugal), depois de longos anos passados em Macau, onde deixou obra muito meritória, e em Moçambique, ao serviço da Escola Portuguesa, permite-nos lembrar uma notável educadora, que se insere “na linhagem dos grandes professores que serviram no Liceu de Macau”, “gente de cultura, de educação, com intervenção cívica, obra publicada e enorme profissionalidade”. A família, os ex-colegas e os seus imensos antigos alunos receberão muito bem este trabalho que merece ampla divulgação na Escola Portuguesa de Macau e em instituições académicas e culturais, porque Graciete Batalha foi “uma das personalidade portuguesas mais marcantes no panorama da cultura contemporânea de Macau”.
Falar de Nós – Volumes V e VI
São mais dois volumes de crónicas e artigos meus sobre Macau e a Comunidade Macaense, referindo acontecimentos, personalidades, instituições, a diáspora, o legado e as opções futuras. O 7.º volume está quase pronto e já há material preparado para o 8.º. Será o último? Quando iniciei esta série de crónicas e artigos, estava bem longe de prever que eles, sete anos volvidos, pudessem estar ainda a ser publicados todas as semanas, ininterruptamente, no Jornal Tribuna de Macau. Na verdade, quanto mais se escreve sobre Macau, fácil é constatar que mais e mais assuntos ficam por tratar. A fonte é mesmo imensa e quase inesgotável!
Cinema em Macau
É uma edição graficamente de grande qualidade e o seu interessantíssimo conteúdo despertou a atenção e a curiosidade de todos, no dia do lançamento, após uma sentida apresentação de Miguel de Senna Fernandes, que recordou o pai, recentemente falecido, e a sua grande paixão pelo cinema. Esta obra de Henrique de Senna Fernandes revela a sua prodigiosa habilidade de descrever a evolução da sétima arte, desde o seu aparecimento como cinema mudo, até à década de 30, entremeando-a com acontecimentos sociais que marcaram uma época, muitos dos quais ele próprio viveu. Com efeito, apesar de o tema central ser o cinema, o autor relata ocorrências relevantes na sociedade macaense, enquanto discorre sobre os espectáculos e projecções de filmes que tiveram uma influência enorme numa população que frequentava assiduamente os cine-teatros que abundavam na cidade. Este livro é uma compilação de artigos publicados na Revista de Cultura, na década de 90 do século passado.
Vista em 1939
Things I Remember
É outro opúsculo da colecção “Mosaico”, em que Frederico (Jim) Silva, destacada personalidade da diáspora e ex-presidente da UMA – União Macaense Americana, identifica com muito “chiste” algumas especificidades tipicamente macaenses no contexto das suas recordações. A primeira edição, do próprio autor, teve uma tiragem muito limitada e esta reedição faz jus à qualidade e ao inegável interesse deste trabalho.
Meio Século em Macau
Este livro de memórias, em verso, de J. J. Monteiro, poeta popular de Macau, em dois volumes, profusamente ilustrados, proporcionou outra sentida apresentação, no palco do Teatro D. Pedro V, local emblemático e de profundo significado para a comunidade, pelo seu filho mais velho, Américo Monteiro, funcionário público aposentado. Estão reunidas, nestes dois volumes, memórias de cinco décadas intensamente vividas em Macau por um homem bom e invulgarmente talentoso que muito bem compreendeu e amou Macau e soube servir e dignificar Portugal.
The Portuguese Community in Hong Kong – a Pictorial History (Volume II)
O 1.º volume foi lançado, com invulgar sucesso, no Encontro das Comunidades Macaenses de 2007, tendo estimulado outras famílias a partilharem fotografias e mais elementos informativos que justificaram a elaboração do 2.º volume, sendo ambos da autoria do Arq.º António M. Pacheco Jorge da Silva. Ali está também uma história, muito bem elaborada e de agradável leitura, da comunidade pujante e interventora que foi a portuguesa de Hong Kong. A obra vai ser também apresentada, brevemente, no Club Lusitano de Hong Kong e em algumas Casas de Macau na América do Norte. O autor está a preparar um trabalho idêntico sobre a comunidade portuguesa de Xangai, para lançamento no Encontro de 2013.
Artigo da autoria de Jorge Rangel, Presidente do IIM, publicado no JTM a 6-12-2010

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

História de Macau e da China na EPM

São três os volumes que a Escola Portuguesa de Macau (EPM) lançou para complementar o seu ensino, adicionando agora a História de Macau e da China ao seu programa curricular. Nos novos livros podem-se encontrar elementos da tradição secular chinesa, marca inerente na narrativa do território; a evolução da presença portuguesa, que se prolongou por mais de quatro séculos, apresentado de modo sucinto e parcelar, e todos os temas que deram luz à Região Administrativa Especial de Macau e que a mantém em efervescência no seu presente.
O projecto foi iniciado em 2006 e tem ao leme Jorge Santos Alves, académico e historiador português, que inspirou a sua criação ao orientar um seminário na Universidade de Macau sobre História do território, deixando uma semente em vários professores da EPM que desde então meteram mãos à obra e coligiram toda a informação possível para levar a bom porto todo o propósito.
Os manuais que suportam a disciplina de História nos três ciclos do ensino básico foram elaborados pelas professoras Clara Fernandes, Deolinda dos Santos e Maria Peres Machado, que com a ajuda de Pedro Xavier, subdirector da EPM, deram vida a um traçado que agora vê a luz do dia.
O esboço do projecto partiu da “necessidade de localizar o ensino da História e de transmitir aos alunos da EPM conhecimentos da História da cidade e do país onde vivem”, assim referiu Pedro Xavier na apresentação, ontem no auditório da EPM. “Era fundamental produzir um trabalho rigoroso, bibliograficamente actualizado e equilibrado, sobretudo porque se tratava de matérias sensíveis e sujeitas a interpretações”, explicou ainda.
Estes volumes que começam a fazer parte do dia-a-dia dos alunos a partir do próximo ano não constituem, como foi revelado, um manual da História de Macau e da China na verdadeira acessão do termo, mas sim um conjunto de temas que se integram no ensino da disciplina, desde o 1.º ciclo ao 9.º ano de escolaridade e que funcionam como ferramentas para uma ligação mais estreita a toda esta matéria, reportada na sua história milenar, rica de contactos ao longo dos tempos e que deram azo a uma “comunidade multicultural vibrante”.
Notícia do jornal HM de 15-12-2010
'Excerto' de uma foto de António Falcão

Moeda 1999: ano do coelho

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Maqueta de 1962: hotel Lisboa

Esta é provavelmente a primeira maqueta/proposta arquitectónica para o que viria a ser o Hotel/Casino Lisboa. Em 1962, o novo espaço ainda não tinha sido baptizado, e seria bem diferente o resultado final. (ver imagem abaixo)
Numa 'acção de charme' junto do novo governador (desde Abril de 1962 a Novembro de 1966) Stanley Ho "director-geral, cumprimenta e saúda Sua Exa. o Governador Ten-Cor. António Lopes do Santos desejando-lhe um feliz e próspero governo". 
Lopes dos Santos e Stanley Ho 'mudaram' a face do jogo e turismo de Macau: o primeiro atribui-lhe o monopólio do jogo - em 1962 - (que estava numa família chinesa há muitos anos) e aumentou muitíssimo as receitas para os cofres do governo; e o segundo 'ocidentalizou' os casinos ajudando a colocar Macau no mapa do turismo mundial cuja oferta hoteleira aumentou de forma significativa.
O "Lisboa", apesar de mais conhecido, não é o primeiro hotel de Stanley Ho em Macau. Essa honra coube ao hotel Estoril. (será por isso que está há vários anos abandonado mas ainda não foi demolido?)
Hotéis Estoril e Lisboa: os primeiros do 'império' da STDM (fotos década 1970)
 
Bowling no hotel Lisboa: ca. 1978

Bilhete postal: 1937

Enviado de Macau para a Alemanha

sábado, 11 de dezembro de 2010

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Morreu fundadora do Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social

Faleceu no passado dia 24 de Novembro, aos 76 anos de idade, a irmã Maria Pia Cantieri, fundadora do Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social (CDMCS) e mentora de vários projectos de ajuda social na China continental.
Natural de Verona (Itália), a irmã Maria Pia trabalhou em Taiwan, tendo chegado a Macau em 1975. Para além de ser a figura de referência do CDMCS, dedicou-se ao combate à lepra na China, ao mesmo tempo que liderou projectos de assistência às vítimas da doença, principalmente nas áreas da saúde e da educação.
A criação do CDMCS acontece após uma deslocação do então bispo de Macau, D. Arquimínio da Costa, a Tóquio, em 1974, onde participou numa reunião sobre o futuro dos Órgãos de Comunicação Social (OCS) na Ásia. Nesse encontro definiram-se algumas linhas de acção, que foram posteriormente adoptadas por cada diocese, dentro das suas capacidades logísticas e financeiras.
A chegada ao território da irmã Maria Pia e o empenho do padre Américo Casado foram a chave para a concretização das referidas linhas de acção em Macau, cujo resultado foi a criação, em 1975, do CDMCS, também conhecido por Centro de Comunicação «Shalom».
A rádio foi a primeira aposta dos mentores do projecto. Foram montados dois estúdios, sendo produzidos diariamente programas em português e chinês, cuja transmissão era feita em cadeia com rádios de Macau, Hong Kong e da China continental.
Em 1982, a irmã Maria Pia decide remodelar a sala de cinema da diocese, – construída em 1971 com o auxílio financeiro dos cristãos americanos, – reabrindo ao público com um novo nome: Cineteatro de Macau.
Dois anos mais tarde, em 1983, era inaugurado o vídeo-clube «Shalom» e, em 1985, o CDMCS estreava-se na produção de programas televisivos e de outros formatos audiovisuais.
Como prova do reconhecimento do Governo pelo trabalho efectuado pelo Centro, este foi convidado a integrar a Comissão de Classificação de Espectáculos.
A par da rádio, do cinema e da televisão/vídeo, eram publicados regularmente pequenos impressos de carácter pastoral e litúrgico.
Leprosos
Os programas de rádio produzidos pelo Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social eram difundidos num raio de cem quilómetros à volta de Macau.
Em resposta ao desejo de uns quantos ouvintes católicos da China, a irmã Maria Pia e outras pessoas ligadas ao Centro organizaram uma viagem ao continente, com o objectivo de os visitar.
Após um longo e atribulado percurso, por terra e por mar, finalmente chegaram ao destino: uma leprosaria situada numa ilha. Há 45 anos que ninguém visitava os seus habitantes.
Esta experiência tocou o íntimo da irmã Maria Pia, que decidiu deitar mãos à obra e ajudar aqueles e outros leprosos na China.
Feita uma avaliação das necessidades, o CDMCS recorreu à boa vontade do Centro Raoul Fullereau de Bolonha (Itália), que viria a enviar uma delegação à China para um primeiro contacto com o Governo da província de Cantão.
Não foi preciso esperar muito tempo para que fossem enviados de Itália medicamentos, microscópios e até ambulâncias. Aos médicos locais foram oferecidas motocicletas, com o objectivo de facilitar as deslocações às aldeias e vilas mais recônditas.
A pedido do Centro Raoul Fullereau, o CDMCS passou a colaborar com a Associação AIFO, que ficou encarregue de supervisionar no terreno se as ajudas provenientes de Itália estavam, de facto, a ser aplicadas.
Apesar de todos os avanços conseguidos, a irmã Maria Pia sentia que ainda havia muito por fazer. É então que recorre de novo ao Centro Raoul Fullereau e juntamente com a Caritas de Macau constrói e inaugura três novas leprosarias na província de Cantão: Wai Chau, Kung Meng e Sio Kwan (esta última considerada uma referência para toda a China).
Praticamente resolvidos os problemas mais prementes em Cantão, o espírito empreendedor da irmã Maria Pia levou-a à província de Yunnan, onde conseguiu que fossem construídas escolas para os filhos dos leprosos.
Sobre uma das deslocações que efectuou a Yunnan a irmã detalha com precisão algumas experiências, num relatório por ela redigido: «Em Agosto fomos a Yunnan visitar outras leprosarias e, sobretudo, para ver com os nossos próprios olhos as primeiras escolas e como tinham sido usados os fundos enviados para essa finalidade. Atravessámos montes e vales, rios e ribeiros que corriam sorridentes com uma água cor de café-leite. As estradas eram ensombradas por filas de árvores, cujo nome procurávamos decifrar. Nos socalcos dos montes era cultivado o milho», relata, acrescentando a determinado momento: «As leprosarias encontram-se no meio dos montes. Por isso, em certas ocasiões, era preciso descer do nosso pequeno autocarro e prosseguir a pé por vias e caminhos cheios de lama. Nem o bastão de apoio, por vezes, era suficiente para caminhar sem perigo de cair no meio daquele lamaçal avermelhado».
Durante os anos que esteve radicada em Macau, a irmã Maria Pia realizou ainda algumas viagens missionárias ao continente, sendo de destacar, por exemplo, o encontro que manteve, em 1999, com D. Liu Yuan Ren, bispo de Nanquim, presidente da Conferência Episcopal da China e reitor do Seminário Maior de Pequim, numa deslocação à capital chinesa.
Em 2003 deixa Macau, rumo a Abrantes (Portugal), onde funda a «Domus Mundi», «um espaço de acolhimento em ambiente familiar, aberto a todos os que esperam e procuram uma oportunidade de reflexão, de descanso e de relaxamento».
Artigo de José Miguel Encarnação publicado no jornal O Clarim de 3-12-2010

“Todos os Portos a que Cheguei – Rocha Vieira”

O último governador (1991-99) de Macau, Vasco Rocha Vieira, vai revelar algumas das suas histórias no livro “Todos os Portos a que Cheguei – Rocha Vieira”, editado pela Gradiva, escrito por Pedro Vieira e que será lançado em Lisboa já no dia 20. O prefácio é de António Ramalho Eanes.NA: o título do livro é tirado de um poema de Fernando Pessoa.
Sinopse: “A memória dos portugueses guarda a imagem de Vasco Rocha Vieira com a bandeira nacional colada ao peito em 19 de Dezembro de 1999, a poucas horas da transição de Macau para a China”, lê-se. “No entanto, a história teria sido diferente se, em 1996, o recém-eleito Presidente da República, Jorge Sampaio, tivesse nomeado um novo governador para o território, como inicialmente parecia ser a sua intenção”.
As referências a Sampaio (que curiosamente tb está a escrever as suas memórias sobre Macau...) deixam adivinhar revelações ou serão apenas um 'isco' de marketing para um período de venda de livros com muita concorrência? Uma coisa é certa haverá muita curiosidade em saber o que Rocha Vieira tem para dizer sobre que temas polémicos como a Fundação Jorge Alvares, a relação com a imprensa (lá e cá), as transferências quadros da função pública... a última bandeira da administração portuguesa de Macau.
“Habitualmente discreto e reservado, decidiu, finalmente, quebrar o silêncio”, pode ainda ler-se na sinopse.
A editora é gerida pelo seu antigo assessor cultural em Macau, Guilherme Valente. A escrita esteve a cargo do jornalista Pedro Vieira.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

... Limites de Macau no Século XIX

O Instituto Internacional de Macau e o Instituto do Oriente (ISCSP-Universidade Técnica de Lisboa) apresentaram recentemente em Macau o livro "Negociações e Acordos Luso-Chineses sobre os Limites de Macau no Século XIX: contribuição para a compreensão dos actuais limites da RAEM da RPC", da autoria de António Vasconcelos de Saldanha, conhecido especialista das relações luso-chinesas, que em Macau foi presidente do Instituto Português do Oriente.
Este livro - por recurso a fontes, muitas delas inéditas, do Arquivo do MNE, do antigo Ministério das Colónias, em Lisboa, e dos arquivos imperiais chineses – vem deitar uma luz reveladora sobre um período recente da história de Macau: a fixação definitiva dos limites territoriais de Macau na segunda metade do século XIX, hoje da actual RAEM.
A obra – através do tratamento minucioso e sucessivo de 50 anos de disputas e negociações sobre os limites das Portas do Cerco, aldeia de Mongha, ilhas da Taipa, Coloane e Montanha, e sobretudo as águas territoriais de Macau – contribui decisivamente para colocar nos seus devidos termos a origem da parte territorial dos “poderes de administração” que Portugal devolveu à China em 1999.
Segundo os editores, esta obra traz dois notáveis contributos: em primeiro lugar, vem colocar em causa a ideia estabelecida da imposição total da vontade portuguesa sobre uma administração chinesa incompetente e inerte, quando o que se nos depara é uma luta e uma negociação complexa, constante, tenaz e frequentemente paritária entre as autoridades portuguesas e chinesas. Em segundo lugar, reforça e confirma a ideia que o equilíbrio entre os dois países no que toca à existência de Macau na segunda metade do século XIX só se ficou a dever, não a um entendimento entre os dois governos centrais, mas à flexibilidade, capacidade negocial e pragmatismo dos governos regionais de Macau e de Cantão.in Hoje Macau de 30-09-2010
Mapa de 15 de Março de 1889 realizado e desenhado por António Heitor, "condutor civil das Obras Públicas de Macau".