quinta-feira, 30 de abril de 2015

Postal ilustrado de Macau para Havana: 1913

Frente e verso de um postal ilustrado enviado de Macau para Cuba (Havana) a 16 de Outubro de 1913 tendo passado por Hong Kong no dia seguinte.
Inclui um selo de 2 avos de D. Carlos I carimbado com a palavra "Republica". Tem ainda um outro selo de 2 avos na parte de trás (tb com a palavra República) com o carimbo hexagonal do Correio Central de Macau - 2a. Secção".
Trata-se de um postal pintado intitulado "Post Office and Macao Hotel on Praya Grande" e a julgar pelo carimbo dos correios de Havana que acusam a recepção do postal este só chegou ao destino 10 anos depois de ser enviado.
A palavra República carimbada sobre os selos explica-se com o facto de serem selos que existiam em stock nos correios de Macau ainda relativos à monarquia mas entretanto foi instaurada a República em Portugal pelo que até serem emitidos novos selos os anteriroes tinham de ser gastos.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Correio Marítimo: 1826

O Correio Marítimo de Macau começou a funcionar em 1798. Nessa época ainda não existiam selos uma situação que se manteve até 1884, ano em que o governador Tomás de Sousa Rosa determinou, através da Portaria Provincial n.º 11, de 27 de Fevereiro, que começassem a circular os primeiros selos adesivos de Macau, a partir do mês seguinte. 
A 1 de Março de 1884 surgiria o primeiro selo que se designou “Coroa”, por ilustrar a coroa do Reino de Portugal, e a data ficaria a representar a criação dos Correios de Macau. Ricardo de Sousa, administrador do Correio Marítimo desde 1869, assumiu a chefia dos Correios. Durante o primeiro ano, trabalhou na sua casa, no n.º 1 da Rua do Campo, e só em 1885 os Correios passaram a ter um edifício próprio, na Rua da Praia Grande, onde hoje está situado o hotel Metrópole. O edifício actual surgiria apenas na década de 1930. 
A ilustração acima é de 1826 e diz respeito a uma carta enviada de Macau para Lisboa. Pode ver outros exemplares de correio marítimo aqui e aqui.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Serviço Postal Aéreo pela Pan American Airways

Em 1936 a Pan Am ganhou o concurso da rota para transportar o correio entre São Francisco (EUA) e Cantão (Sul da China). A ligação à China Continental fazia-se através da China Airways. Na altura, face aos barcos a vapor, a duração da viagem encurtou mais de um mês. Durava 6 dias. Apesar dos voos inaugurais (e experimentais) terem acontecido em Outubro de 1936, só a partir de Abril de 1937 as ligações aéreas (por hidroavião) entre Macau e o resto do mundo tornaram-se regulares. Passam poucos minutos das 10 horas da manhã do dia 28 quando o ‘Hong Kong Clipper’ da Pan Am – modelo Martin M130 – amara nas águas do Porto Exterior dando assim início às viagens regulares da Pan Am para Macau, cidade terminal da ligação S. Francisco-Honolulu-Manila-China. A bordo só tripulantes. 
Envelope Comemorativo da Inauguração do Serviço Postal Aéreo
A cidade parou e o governador Tamagnini Barbosa foi ao hangar receber os “convidados”. O “China Clipper” da Pan Am partiu de Macau nesse mesmo dia, passou por Hong Kong e seguiu até às Filipinas. Ali, um outro aparelho da Pan Am prosseguia a viagem e o “China Clipper” volta para trás. Nessa primeira viagem S. Francisco foi alcançada a 4 de Maio, seis dias depois da partida de Macau. À partida de Macau seguem dois americanos com destino a Hong Kong e 42 mil cartas/aerogramas. Um recorde para os correios de Macau que montaram especialmente para o efeito um pequeno escritório ao lado do hangar da Pan Am nos aterros do Porto Exterior. Era a primeira vez que o correio aéreo saía directamente da cidade de forma regular - em 1934 o Dilly cometera tal proeza - e todos se lembraram de escrever aos amigos e familiares assinalando a data. 

Existem diversos exemplares filatélicos que recordam o feito na época.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Carta para o "Governador da Colónia de Macau" (1936)

Remetida pelo Ministério das Colónias (Direcção Geral da Administração Pública e Civil) a partir de Portugal a 7 de Dezembro de 1936 e dirigida ao "Governador da Colónia de Macau" esta carta registada (ofício nº 1832) chegou a Macau a 27 de Dezembro do mesmo ano. Para além dos carimbos de envio e recepção tem a curiosidade de incluir um carimbo dos correios de Cantão.
Não menos curioso é o facto de na altura não existir, de facto, um governador. António José Bernardes de Miranda saíra em Outubro de 1935 e o seu substituto, Tamagnini Barbosa só chegaria em Abril de 1937. Bernardes de Miranda, foi oficial de artilharia entre os anos de 1886 e 1957. Para além de governador em Macau foi ainda chefe da casa militar do Presidente Carmona. Dedicou-se também aos estudos das Modernas Teorias da Física, e publicou o livro Nova Explicação do Universo.

 Cartão de visita do governador

Nota: o vencedor do passatempo do mês de Abril foi Pedro Oliveira, de Cascais. Em Maio damos mais um livro.

domingo, 26 de abril de 2015

Assembleia Constituinte de 1975

Uma das primeiras preocupações do Movimento das Forças Armadas, expressa nas medidas imediatas do seu programa - fundamentado na necessidade de definição de uma "política ultramarina que conduza à paz (...) só possível com o saneamento da actual política interna e das suas instituições, tornando-as, pela via democrática, indiscutidas representantes do Povo Português" - foi a convocação, no prazo de um ano após a revolução de 25 de Abril de 1974, de uma Assembleia Constituinte eleita por sufrágio universal directo e secreto.
Depois da realização de um recenseamento eleitoral considerado exemplar, votaram todos os cidadãos maiores de 18 anos, independentemente do sexo, nível de instrução ou capacidade económica, com excepção dos responsáveis e colaboradores do anterior regime. A capacidade eleitoral passiva coincidia com a activa: todos os eleitores podiam ser eleitos, apenas com algumas excepções, como era o caso dos militares.
Nas eleições para a Assembleia Constituinte participaram 14 partidos e coligações: Associação para a Defesa dos Interesses de Macau (ADIM), Centro Democrático de Macau (CDM), Centro Democrático Social (CDS), Frente Eleitoral dos Comunistas (marxistas-leninistas) (FEC (m-l)), Frente Socialista Popular (FSP), Liga Comunista Internacionalista (LCI), Movimento Democrático Português/Comissão Democrática Eleitoral (MDP/CDE), Movimento de Esquerda Socialista (MES), Partido Comunista Português (PCP), Partido Socialista (PS), Partido Popular Democrático (PPD), Partido Popular Monárquico (PPM), Partido de Unidade Popular (PUP) e a União Democrática Popular (UDP).
As eleições para a Assembleia Constituinte a 25 de Abril de 1975 foram as primeiras por sufrágio verdadeiramente universal realizadas em Portugal, com uma afluência histórica de 91% dos cidadãos recenseados. Foram eleitos 250 deputados. Entre eles, Diamantino Ferreira deputado eleito por Macau. No território houve candidatos da ADIM, mais conservadores, e do CDM, de ideais mais liberais.
A Associação para a Defesa dos Interesses de Macau (ADIM), associação política de matriz portuguesa e de cariz conservador fundada em 1974 no território por um grupo de macaenses, entre os quais estavam Delfino José Rodrigues Ribeiro e Carlos Augusto Corrêa Paes d’Assumpção, tinha uma relação de estreita com o Centro Democrático Social (CDS) português e nas eleições para a AC de 1975 obteve 1622 votos (0,03%), derrotando a CDM e conseguiu eleger um deputado, Diamantino de Oliveira Ferreira, pelo círculo eleitoral de Macau.
O co-fundador e líder da ADIM, Carlos d'Assumpção, participou activamente na elaboração do novo Estatuto Orgânico de Macau e conduziu a ADIM à vitória nas primeiras eleições legislativas livres de Macau, em 1976.#

sábado, 25 de abril de 2015

1º aniversário 25 de Abril 1974: envelope e selo

Envelope e selos alusivos ao 1º aniversário do 25 de Abril de 1974 que também teve eco em Macau. A emissão filatélica é referente ao primeiro dia de circulação - 29 de Agosto de 1975 - com uma ilustração de um vendedor ambulante uma das muitas e já praticamente desaparecidas antigas profissões do território.
Na imagem acima uma vendedora de rua em Macau na década de 1950 recorrendo ao transporte/venda de mercadorias com o chamado sistema 'pinga'.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Teatro no Fat Sio Lau: 1948

As imagens reproduzem o folheto de uma Sessão no Teatro do "Fat Sio Lau" a 24 de Abril de 1948. "Savel & Sanfé" apresentam "A Festa de Despedida" em homenagem ao Dr. Francisco Barata Feio e a Dr. João Albino Ribeiro Cabral, ambos médicos. Barata Feio trabalhou ainda em Angola e Moçambique. Sobre Macau deixou escrito "Programa de acção sanitária e profilática", editado pela Imprensa Nacional em 1947.
Nota: a referência a este teatro parece-me tratar-se nada mais nada menos que o restaurante como o mesmo nome existente na Rua da Felicidade e que, a propósito desta data, ficaria ligado às repercussões em Macau do 25 de Abril de 1974 em Portugal.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

António Rebordão Navarro 1933-2015

Morreu esta quarta-feira o escritor (poeta e ficcionista), advogado e editor, António Rebordão Navarro que passou por Macau em 1989. Tinha 82 anos. Dessa estadia resultaram várias crónicas sobre o território publicadas primeiro nos jornais portugueses e depois no livro "Estados Gerais" (1990). Mas a sua obra mais conhecida sobre Macau seria o romance "As Portas do Cerco", editado em Macau pelos Livros do Oriente, em 1992. O livro, depois traduzido para francês e holandês, é uma "crónica de viagem e biografia reinventada de Camilo Pessanha".
Nascido no Porto, em 1933, Rebordão Navarro formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra e exerceu advocacia antes de se tornar editor literário. Editou um volume com a correspondência de Fernando Pessoa a Armando Corte-Rodrigues e uma antologia com a poesia de Jorge de Lima, e ainda a antologia "Poetas Escolhem Poetas" (1992). Dirigiu as revistas "Bandarra" (fundada pelo seu pai, também escritor) e "Notícias do Bloqueio" nas décadas de 50 e 60 do século XX. A partir dos anos sessenta dedicou-se sobretudo à ficção narrativa e ainda editou uma antologia com a sua obra poética na Imprensa Nacional - Casa da Moeda.
Alguns dos seus poemas estão traduzidos para castelhano, francês, checo e sueco. Em 2002 foi-lhe atribuído o “Prémio Seiva” (Literatura). Nos últimos anos editou e reeditou alguns títulos de ficção e foi homenageado pela SPA no Museu Soares dos Reis, onde lhe foi entregue a medalha de honra da cooperativa. Para a SPA, António Rebordão Navarro "foi uma figura sempre activa na vida cultural e cívica do Porto", tendo a entidade criado um prémio literário com o seu nome que ainda não foi atribuído.
Excertos do livro "Estados Gerais" podem ser lidos no 4º volume da Antologia "De Longe à China: Macau na Historiografia e na Literatura Portuguesas", organizada por Carlos Pinto dos Santos e Orlando Neves (edição ICM, 1996) e da qual retirei esta passagem:
"Além das igrejas, das suas ruínas, dos pagodes impregnados de aroma do incenso exalado pelos pivetes que, às portas, uns funcionários obscuros, fumado displicentemente os seus cigarros, vendem juntamente com esculturas, postais, o jogo tem também os seus templos. E à sua beira, nas ruas adjacentes, uma série desses estabelecimentos de apoio que são, sem subterfúgios ou eufemismos, denominados "Casas de Penhor", todos eles ostentando nas tabuletas pintadas a vermelho, cor da felicidade e da alegria, um estilizado morcego considerado animal propiciador de fortuna. Daí que a grande catedral do jogo que é o Hotel Lisboa, edifício com estrutura de dourada gaiola, tenha, no alpendre da porta principal, o desenho da boca de um morcego."

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Sir Roger Lobo 1923-2015

Uma das principais figuras da comunidade portuguesa de Hong Kong, Sir Roger Lobo, morreu no sábado passado aos 91 anos, de acordo com o jornal South China Morning Post publicado em Hong Kong (ver notícia abaixo).
Empresário de profissão, Rogério Hyndman Lobo, nasceu em Macau a 15 de Setembro de 1923. Era filho de Pedro José Lobo. Foi elemento activo da vida pública de Hong Kong, tendo sido membro do Urban Council (câmara municipal) entre 1965 e 1978, do Conselho Executivo, entre 1967 e 1985 e do Conselho Legislativo de Hong Kong, entre 1972 e 1985.
Sir Roger Lobo - recebeu o título honorífico britânico de cavaleiro em 1984 - ganhou lugar próprio na política local em 1984 quando apresentou no Conselho Legislativo a que ficou conhecida e foi aprovada como "Moção Lobo", que exigia que todas as propostas em debate entre o Reino Unido e a China referentes à transferência de soberania de Hong Kong, concretizada em 1997, fossem debatidas pelo conselho antes de qualquer decisão ser tomada pelos dois países. A moção, que na prática propunha que fosse eliminado o secretismo que envolvia as negociações sino-britânicas sobre o futuro de Hong Kong, foi aprovada por unanimidade seis meses antes da assinatura Declaração Conjunta Sino-Britânica sobre a transferência de poderes.
De ascendência portuguesa e escocesa, Rogério Hyndman Lobo, fundou em 1989, com outros empresários e funcionários públicos, a Fundação Vision147, com o objectivo de construir um entendimento global sobre Hong. Kong. Para além do título de cavaleiro, Roger Lobo recebeu também da coroa britânica os títulos de oficial da Ordem do Império Britânico, em 1972 e de comandante da Ordem do Império Britânico, em 1978. 

Alguns comentários à sua morte publicados nos jornais de Macau...
Luís Sá: 
"O último exemplo de um português de Macau que fez uma grande carreira em Hong Kong. É o fim de uma era. Existem poucos que tenham feito este trajecto.”
Anabela Ritchie:
"Um homem notável que trouxe prestígio para a comunidade e como macaense, não podia ter feito mais para que Macau estivesse presente na vida pública de Hong Kong”.
José Luis Sales Marques
“Uma figura destacadíssima no seio da comunidade macaense em Hong Kong e também da grande família macaense espalhada pelo mundo”. 

A former lawmaker whose 1984 attempt to lift the veil of secrecy over Sino-British negotiations on the future of Hong Kong sparked suspicion in Beijing has died at the age of 91. Roger Lobo, a Macau-born entrepreneur and one of the most respected members of the city's Portuguese community, died of cancer on Saturday. His public service - for which he received a knighthood - included years on the Executive Council, as an acting and later a full member from 1967 to 1985. He was also a lawmaker, becoming senior member of the Legislative Council from 1980 to 1985.
One of his best-known acts was moving the so-called Lobo motion, which demanded a full debate in Legco before Britain and China reached a final agreement on Hong Kong.
"The purpose of this motion is very simple. It means what it says - no more - and one might think that it could not be easily misunderstood or misrepresented," he told lawmakers after Beijing implied it was a bid to intervene in talks.
“The acceptability of any proposed settlement lies in whether people believe that its terms will be respected and will endure,” he said. “Faith cannot be created by orders. Trust cannot be induced by the exercise of power. And no settlement which fails to engender trust can possibly preserve our stability and prosperity.
“Finally, for those who questioned the wisdom of this debate, I believe that it has amply justified itself.” It was passed unanimously, six months before the Sino-British Joint Declaration. In 1989, he worked with business leaders and former civil servants to found the Vision 2047 Foundation, to build global understanding of Hong Kong.
Former governor David Wilson said he was saddened by Lobo's death. “He had a profound love of Hong Kong and a deep commitment to public service, demonstrated by his membership of the Executive Council, his service in the Legislative Council including the very important position of senior member, and many other significant roles serving the community of Hong Kong."
Former senior Legco member and senior unofficial member of the Executive Council Lydia Dunn hailed her "tireless and selfless" colleague. “I am deeply saddened by news of Sir Roger Lobo's death. We were colleagues in Legco where I saw at first hand the tireless and selfless way he worked for Hong Kong. He was a man of great modesty and humility who never sought credit for his leadership as senior member and he was always kind and helpful to his junior colleagues.  “I shall miss him and remember him with affection and respect, " she said. PCCW chairman Richard Li Tzar-kai called Lobo, who served on the firm's board, a "giant of his times" who "was never on the side of the authorities for the sake of it, but always a voice of reason".
Businessman Victor Fung Kwok-king, a long-time friend, said: “At a critical time for Hong Kong and its future, we were extremely fortunate to have had a man who cared so deeply for the wellbeing of the people of Hong Kong and who performed his public service with great wisdom, dignity and humility.
“Sir Roger remained passionately interested in Hong Kong’s future long after he had stepped down from his public roles,” Fung said.
Rachel Cartland, a retired senior civil servant who worked closely with Lobo in the 1980s when he was was Chairman of the Broadcasting Authority said: “Naturally, I already knew of him as a famous member of the community, who had received all its accolades.  His personality and behaviour during our acquaintance made a lifelong impression on me as I found him to be someone of the greatest integrity who worked tirelessly to get a fair result for the benefit of the community."
Lobo is survived by his wife, Margaret, five sons and five daughters, as well as 28 grandchildren and 17 great-grandchildren. Son-in-law Kenneth Morrison said Lobo was deeply committed to Hong Kong and its people, in particular its youth.
“This was a frequent topic of conversation for Sir Roger and one of the reasons he was so committed to the Vision 2047 Foundation,” said Morrison, who was the immediate past chairman of the foundation.
Gary Cheung artcile published on SCMP

terça-feira, 21 de abril de 2015

Ilustração Portuguesa: 21 Abril 1923

"Macau deslumbra o visitante, pela actividade fabril e comercial dos seus oitenta mil habitantes da raça chineza, pela elegancia e riqueza das construções, pela limpeza e boa conservação do pavimento das ruas, pelo cuidado com que são tratados os seus jardins, pelas belas perspectivas que os acidentes do terreno oferecem e, finalmente, pelas grandiosas obras do porto de navegação oceanica, ha pouco iniciadas por uma companhia holandeza. (...)"
"Para os chinezes multi-milionarios é lugar de repouso, gozo e segurança nos seus palacios encantadores. Para o viajante é a cidade rica de prazeres, o clima suave, a estancia pitoresca, onde os dias passam velozes, sem que os seus olhos se fatiguem de vêr."


Macau que já figurara por diversas vezes nas páginas desta revista (antes com a grafia Illustração Portugueza), tem honras de capa no nº 891, a edição de 21 de Abril de 1923. O artigo intitula-se "Macau, A cidade mais pitoresca do nosso domínio ultramarino".
O artigo e as fotografias (ca. 20) são da autoria de M. Antunes Amor, funcionário público em Macau e que entretanto regressara a Portugal. É também dele a autoria de um pequeno filme sobre o território e que foi exibido em Portugal. É ainda autor de um artigo intitulado "Macau Pitoresco" publicado no "Estado da Índia" Ano II, n.º 47 (9 de Abril de 1925). Voltando à edição da IP de 21 de Abril de 1923... Neste registo fotográfico singular de Macau na década de 1920 podemos ver: o Palácio do Governo, a zona do bazar, o Leal Senado, antes das obras de 1939 e o relógio público que existia no largo; a avenida Almeida Ribeiro (San Ma Lou), com a “garage Macau” e o cinematógrafo Vitoria; uma loja de chá, um vapor (Sui An) a chegar ao Porto Interior, o jogo, etc...
Em Macau Antunes Amor foi superintendente das Escolas Municipais (a cargo do Leal Senado) tendo implementado diversos conceitos pedagógicos inovadores para a época, inclusive ao nível das condições das instalações: limites mínimos de cubagem de ar na sala por aluno, iluminação que deveriam os alunos receber do lado esquerdo, a forma de pegar no lápis ou na caneta, postura correcta nas carteiras, etc. Só não conseguiu que o recreio passasse a ser de hora a hora...

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Macau no raid Madrid-Manila de 1926

Por estes dias, no já longínquo ano de 1926, decorria o raid aéreo Madrid-Manila que teve passagem por Macau. Foi realizado pela “Escuadrilla Elcano“ formada por três aviões militares “Breguet XIX” comandados por Joaquín Loriga Taboada (chefe de esquadrilha - na imagem abaixo), Rafael Martínez Esteve e Eduardo Gonzalez Gallarza e os respectivos mecânIcos: Joaquin Arozamena Postigo, Pérez e Calvo. Partiram de Madrid a 5 de Abril de 1926 e precisaram de 39 dias para fazer os 17.500 quilómetros em 20 etapas. Existe ainda a referência a 18.900 kms, 17 etapas e 33 dias.
Aterraram em Macau às 17h20 horas do dia 1 de Maio de 1926, no antigo campo de Mong Há. Uma aterragem atribulada devido a uma avaria (as asas do avião de Loriga bateram numas árvores). O avião de Taboada caiu na China (Sang Tong). Ele e o piloto foram primeiro recolhidos por uma embarcação chinesa que depois os entregou à canhoneira "Pátria" que, juntamente com a lancha-canhoneira "Macau" tinha ido à procura dos pilotos espanhóis. 
Vinham de Hanói e estiveram por Macau vários dias. Partiram para a última etapa do raid rumo a Manila (com escala em Aparri) no dia 11 de Maio. Só um aparelho prosseguiu viagem a partir de Macau, o Breget nº 30.
O trajecto do raid e o Breget
Um postal da canhoneira "Pátria" e uma emissão filatélica especial que assinalou a passagem do raid Madrid-Manila por Macau em 1926. Duas cartas com cartas com carimbo dos correios de Macau em Maio de 1926.
 

sábado, 18 de abril de 2015

Logar de interprete superintendencia da emigração chineza

O governador da provincia de Macau e Timor, e suas dependências, determina o seguinte: achando-se vago o logar de interprete da superintendencia da emigração chineza, e tendo Augusto Oscar Marques sido classificado pelo respectivo jury como habilitado para alumno interprete de 2ª classe da procuratura dos negocios sínicos, e atendendo às circunstancias e mais partes que n'elle concorrem; hei por conveniente nomear interinamente o referido Augusto Oscar Marques interprete da superintendência da emigração chineza; continuando porem a praticar como alumno interprete na procuratura quanto não tiver serviço na superintendência. As autoridades a quem o conhecimento e execução d'esta competir, assim o tenham entendido e cumpram.
Macau, 1 de Abril de 1871. António Sérgio de Sousa, Governador de Macau e Timor.
Dois postais (de 1892 e de 1893, um da Rússia e outro do Egipto) dirigidos a Óscar Augusto Marques que residia no nº 3 do Largo de Santo Agostinho e era tido como sinólogo e coleccionador.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Memórias de Silene Wong - 2ª parte

Quando estava no 2º ano, a escola promoveu um evento desportivo infantil e eu me inscrevi em várias modalidades. Nas eliminatórias, consegui me classificar para três finais. A competição das finais foi na unidade feminina. Das três competições, eu ganhei dois terceiros lugares e um primeiro lugar. O dia da entrega de prémios foi um dia de festa na escola, além da cerimónia de entrega de prémios e fotos dos ganhadores. As provas incluíam, por exemplo, saltar à corda.
Na cerimónia de entrega dos prémios das competições desportivas no colégio Yuet Wah
Tecnologicamente, Macau pareceu-me menos avançado que o Brasil. Do que me recordo não era fácil aceder a certos electrodomésticos como geladeira e ferro eléctrico. No caso do ferro, usava-se o de carvão vegetal. Complicava um pouco para o meu pai principalmente, pois ele era alfaiate. Às vezes, eu e meus irmãos ajudavam abanando para que a brasa pegasse e aquecesse o ferro. Em relação à geladeira, ou melhor, à falta da mesma, minha mãe tinha que ir ao mercado todos os dias. Julgo que também não se vendia leite fresco nem café em pó. Comprávamos leite condensado e diluíamos em água quente e acrescentávamos em seguida café instantâneo. Pão somente havia o de forma, vendido em fatias.
Televisores poucas famílias possuíam. Meu pai comprou uma pequena com o intuito de facilitar nosso aprendizado na língua chinesa. Era corriqueiro verem pessoas desconhecidas nossas pararem à frente da loja e ficarem assistindo em pé. Isso acontecia em outras casas também. Lembro que assisti ao seriado “Kung Fu” com David Carradine e também a muitos filmes musicais com óperas chinesas. A programação era transmitida de Hong Kong, cidade onde tínhamos de ir de vez em quando para resolver assuntos burocráticos referentes à nossa permanência na colónia portuguesa. Íamos de navio. Adorava a viagem. Penso que demorava algumas horas, não sei ao certo. Havia a opção de uma viagem mais rápida em um barco menor, mas era mais caro. Viajamos uma vez e não gostei. Apreciava o maior, pois ficava o tempo todo olhando para o mar, as espumas e o horizonte...
Prova 'desportiva' no colégio
Sei que nem tudo foram flores nestes dois anos passados em Macau, mas diferentemente de alguns membros da família, a minha adaptação foi fácil. Ía bem na escola, dava-me com os colegas de classe, com os vizinhos e aprendi rapidamente a língua chinesa. Minha rotina resumia basicamente à escola durante a semana, diversão ao final do dia com os vizinhos, ida à missa aos sábados ao final do dia. Aos domingos, quando saíamos, era para visitar algum parque da cidade ou almoçar ou tomar chá em algum restaurante. Sinto falta de alguns pratos chineses. Onde resido actualmente existem muitos restaurantes chineses, especialmente no bairro da Liberdade/SP, mas não é a mesma coisa.
Na Taipa em 1972
Saudades tinha eu dos familiares do Brasil, principalmente do meu avô. Meus pais trocavam cartas e fotos com frequência, notícias iam e vinham, assim as saudades eram amenizadas e encurtava a distância física, já que pensamentos e sentimentos estavam conectados sempre. Próximo de onde residíamos, havia um local (não sei exactamente o que era, talvez um templo budista) onde eram realizados velórios. Eram frequentes os cortejos passarem na frente de casa. Todo mundo parava para ver: o caixão sendo carregado à frente e em seguida os familiares e amigos do falecido. Vestiam branco da cabeça aos pés e lamentando a morte do ente querido. Isso me impressionava.
Jogo já era actividade de lazer comum naqueles tempos. Corriqueiro era ver pessoas jogando mahjong 麻 将, dia e noite. Penso que não é à toa que Macau hoje tem os jogos como uma das principais fontes de receita.
O regresso
O retorno ao Brasil deu-se em Julho de 1973. Poucas lembranças deste período, despedidas rápidas, malas arrumadas e de volta à terra natal. Hora de rever parentes e me readaptar à vida no ocidente. Um pouco de dificuldade na escola, já que o ano lectivo inicia-se em Fevereiro/Março. Ficamos um período morando com meu avô, mas em dois meses nos mudamos para uma casa. E mudamos de escola de novo, mas no final deu tudo certo. Recomendo experiências internacionais, quem tiver oportunidade, faça. A minha foi com pouca idade, mas posso dizer que muito me acrescentou. Herdei provavelmente desta estada a forma de pensar e agir, mais objectiva, directa devido talvez à maneira de expressar que aprendemos usando ideogramas, mais sucinta, e que às vezes entra em choque com o lado prolixo do português para explicar algo. Mas é um exercício e aprendi com o tempo.Tenho 50 anos e um dia ainda espero regressar a Macau!"
Nota: Fica assim completo o testemunho inédito e exclusivo de Silene Wong a quem eu agradeço aqui publicamente. Espero que tenha sido do agrado dos leitores. Logo após a publicação da primeira parte destas memórias, a Silene enviou-me um e-mail e seleccionei um excerto para publicação:
"Parabéns pelo seu trabalho e dedicação com a história de Macau. Óptima fonte de informação e preservação da memória da cidade. Eu é que agradeço a oportunidade e por ter me desafiado a escrever, rememorar uma parte importante da minha vida. Aproveitou informações que trocamos por e-mail e incluiu no relato. Algumas só vieram a partir desta troca. Descobri que havia muito mais lembranças do que imaginava... Hoje sei que fui feliz lá e o quanto a estada em Macau influencia / influenciou quem sou hoje. A vontade de voltar à cidade só aumentou e espero em breve revê-la!"

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Memórias de Silene Wong - 1ª parte

Silene tem 50 anos e vive actualmente no Brasil, um dos países onde o blogue Macau Antigo tem mais leitores. Foi de lá que partiu em 1971 para uma viagem que a levou a Macau por apenas dois anos mas que nunca mais esqueceu embora fosse uma criança com apenas 7 anos. Para relembrar esses tempos encontrou no blogue Macau Antigo uma referência, contactou-me e eu desafiei-a a passar para o papel as memórias da Macau que conheceu no início da década de 1970, há mais de 40 anos. O que se segue é esse testemunho, fruto de conversas que fomos mantendo via e-mail e acompanhado de imagens da época.
Brincando com o irmão e a irmã no jardim Luís de Camões.
"Minha avó paterna aparece em algumas fotos, ela morava em Cantão. Saiu de lá quando estávamos em Macau. Ficou um tempo com a gente e depois foi para Kowloon se encontrar com minha tia. Pouco tempo depois todos eles emigraram para os EUA."

"Só me dei conta que já se passaram mais de 40 anos que vivi em Macau quando comecei a escrever este texto, a convite do João Botas. De início acreditei que seria difícil, mas as imagens e as lembranças começaram a vir à tona em minha memória e o texto foi fluindo. Não são muitas as lembranças, o tempo acabou por levar boa parte delas, mas sei que ficaram as saudades e os aprendizados que adquiri nesta experiência.

Silene tirou esta foto aos pais, irmã e irmão em Macau
Sou brasileira, descendente de chineses da região de Cantão, família constituída de cinco membros. O Brasil vivia sob a Ditadura Militar imposto em 1964 e naquele início da década de 1970 meu pai tinha um comércio. Bem em frente funcionava o Departamento de Ordem Política e Social. Lá eram presos, torturados e mortos as pessoas que eram contra o regime militar. Já me disseram que talvez por ter visto situações de violência, meu pai tenha resolvido ir embora do Brasil. Mas são cogitações, não tenho como confirmar esta história. Certo é que ele resolveu que iríamos passar um período na China, as nossas origens, para que meus irmãos e eu aprendêssemos chinês. Largamos tudo aqui: casa, negócios, familiares por parte de mãe, vida estudantil, amigos e iniciamos a jornada rumo a um local desconhecido do outro lado planeta. Permanecemos em Macau praticamente dois anos, de Agosto de 1971 a Julho de 1973. 
Era uma criança com apenas sete anos sem a completa noção do que estava acontecendo. De repente vi-me em uma cidade completamente nova e diferente do que estava acostumada. Viajamos em julho de 71 e antes de chegarmos a Macau, passamos por Hong Kong 香港 e Kowloon 九龍. Residia lá uma tia, irmã do meu pai que não conhecíamos, e sua família. Destes locais apenas recordo das ruas apinhadas de gente, muito calor, apartamentos com várias famílias (cada uma em um quarto) e um parquinho próximo onde brincávamos de balanço.

Foto de grupo da primeira comunhão celebrada na igreja de Santo António
Em Macau meu pai abriu uma alfaiataria na Rua Sacadura Cabral e morávamos ali mesmo, ao lado. Da vizinhança, fizemos amizade com dois rapazes que pertenciam a uma família de mãe chinesa e pai português. Brincávamos com os dois mais novos, o Plácido e o Judas, por serem de idades próximas às nossas. Segundo minha mãe, misturávamos palavras em chinês, português de Portugal e português do Brasil. Lembro que uma vez nos desentendemos ao discriminar uma determinada cor. Eu dizia que era vermelho e eles, carmim. Riram, pois desconheciam a palavra...enfim, entendíamo-nos.
Na 1ª comunhão frente à igreja de Sto. António

A escola
Estudei no Yuet Wah College 粵華中學, mais precisamente no colégio para o nível fundamental, o 粵華小學. Fiz o 1º e 2º anos. Eu já tinha feito o 1º ano no Brasil. A escola era considerada uma das melhores da cidade, não sei hoje como está. Escola de disciplina rígida, com muito mais matérias comparativamente ao Brasil, quadro de professores exigentes e indisciplina corrigida com castigos. Lá me preparei para a primeira comunhão com aulas de catolicismo.
Eram as freiras que cuidavam da administração. Lembro-me de duas: uma era chinesa, mais rígida e que vivia chamando a atenção de nós, alunos, quando algo não estava de acordo e a outra, italiana, mais condescendente e por isso, abusávamos um pouco...coisa de criança que queria um pouco mais de liberdade nos intervalos entre aulas. Lembro que uma época em que eu e uns colegas resolvemos que iríamos descobrir o que elas guardavam nos bolsos dos hábitos que usavam. Até tentamos enfiar as mãos dentro, mas foram infrutíferas as tentativas...Os padres apareciam por lá apenas para realizar missas. Íamos para a unidade maior 粵華中學, onde estudavam os alunos do 5º ano em diante, quando havia algum evento.
As aulas eram em período integral de segunda a sábado (exceto quarta e sábado – meio período). Sim, havia tempo para brincar nos finais de tarde e domingo. Aprendi muitas brincadeiras na rua e “ importamo-las” para o Brasil depois. 
O Yuet Wah classificava os alunos a cada final de trimestre após as provas. No primeiro trimestre do 2º ano, eu fui a 6º colocada, num total de 53 alunos. Eu, na época, não tinha noção deste "feito", mas descobri aos poucos, pois meu pai me fez escrever ao meu avô e contá-lo. Uma das freiras (a chinesa) disse uma vez no intervalo a uma aluna: "Ela é estrangeira, não falava chinês e ficou em quinto lugar. Você precisa se esforçar mais." Na época e hoje, considero isso uma humilhação o que a freira fez... Recordo que no meu aniversário em 1972 e coincidindo com o meu bom desempenho escolar o meu pai me levou de visita à ilha da Taipa. Meu pai deve ter ficado realmente muito feliz porque, como a maioria dos chineses, ele também não era de demonstrar afeto."   Continua...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

De Marta a macaense

O romance histórico City of Broken Promises, de Austin Coates, é mais do que uma história de amor entre o sobrecarga da Companhia das Índias inglesa Thomas Kuyck Van Mierop e a sua concubina de traços asiáticos, Marta. É também a história da Macau dos séculos XVIII e XIX, das órfãs concubinas, dos vários poderes, das diferentes comunidades e da elaborada estratificação social. O autor britânico que viveu em Hong Kong e morreu em Portugal centra-se nessa mulher de Macau que ficou conhecida como a mais rica do seu tempo no enclave. Para tal, vale-se do diário e dos testamentos de Thomas e Marta, do imaginário ocidental sobre o Oriente e seus estereótipos, de histórias da carochinha de Macau, dos arquivos históricos ingleses e de testemunhos do que era a região naquela época. Coates “conta a história possível” da vida de Marta (1766-1828), vários historiadores de Macau concordam.

Tudo o que se sabe do início da sua vida é que era mais uma das muitas órfãs que engordavam as taxas de natalidade do enclave. Juntamente com as viúvas, estas crianças constituíam a classe mais desfavorecida. Caso se soubesse que era filha de um português, Marta teria dado um bom partido no popular “mercado matrimonial” e com isso beneficiado a Santa Casa da Misericórdia (SCMM), o Senado, a estirpe macaense e, por consequência, a cidade cristã, naquelas que eram as suas “estratégias de reprodução dos poderes sociais e da concentração de riqueza”, como refere o historiador Ivo Carneiro de Sousa no artigo Mulheres, Casamento e Família em Macau, publicado na Revista de Cultura, em 2007. Foram movimentações que também preservaram a presença portuguesa na região, na sequência da crise que vinha do século XVII e ainda da entrada de novos actores no comércio internacional de Macau no século seguinte: os ingleses.
Contudo, Marta não deixou de dar um contributo essencial aos poderes vigentes. Afinal, ela deixou toda a sua riqueza à Santa Casa e à cidade. Mas a sua vida não teve um começo fácil. Não sendo órfã de boa linhagem, o mais provável era ter sido mesmo uma “enjeitada”, já que foi abandonada à nascença na rua. Escapou de morte certa porque, antigamente, “o infanticídio feminino era uma prática corrente na China”, refere Leonor Seabra, directora do Centro de Investigação de Estudos Luso-Asiáticos da Universidade de Macau no artigo A Mulher na Misericórdia de Macau, publicado na Revista de Administração Pública de Macau, em 2007. Marta foi encontrada nas escadas da Igreja de São Domingos pelas freiras Clarissas. Com o destino desvelado à nascença, seria escrava muitsai, prostituta da Rua da Felicidade ou concubina de um estrangeiro, herdada como a casa e a mobília de uns sobrecargas para outros. Para Seabra, como “Marta foi abandonada pelos progenitores, não é bem como as muitsais, que não sendo prostitutas lineares, eram rapariguinhas, normalmente, compradas pelos ocidentais aos pais chineses com dificuldades”. Não tendo a mesma condição, mas arriscando um futuro semelhante, a órfã ainda recebeu nome próprio cristão, quem sabe numa súplica para fugir ao lúgubre destino. É que a homónima da Bíblia era irmã de Lázaro e louvada por ser muito trabalhadora.
A Marta idealizada pelo autor de Macau, Calçadas da História ficou no Convento de Santa Clara até aos nove anos. “É conhecida a dedicação das freiras Clarissas às órfãs”, que recebiam dinheiro do Senado para cuidar destas crianças, explica Seabra. A partir de certa idade esse patrocínio cessava e as raparigas tinham de encontrar outro destino. Por isso, talvez não tenha sido o temperamento difícil de Marta, que Coates descreve, a forçar as irmãs a dar a criança para adopção. Ainda assim, é verosímil ter sido o casal macaense, Teresa da Silva e o francês Monsieur Auvray, recriado por Coates, a assumir a guarda da órfã. Aliás, um dos apelidos de Marta é o portuguesíssimo Silva, bem inscrito no seu retrato de corpo inteiro que chama a atenção na sala das sessões da SCMM.
Com Monsieur Auvray, Marta aprendeu a falar francês, a cozinhar e a conhecer as especiarias e as suas melhores terras de origem. Saberes que, mais tarde, lhe dão outro protagonismo no livro já que é retratada como uma grande negociante de Macau. O talento para o comércio revelou-se na casa da Companhia das Índias que ficava na Rua do Hospital. Aí viveu com Thomas como sua concubina, um papel que já assumia desde os 13 anos pois o inglês herdou-a como a casa e a mobília do sobrecarga antecessor. Depois do seu protector francês morrer, só encontrou futuro na prostituição, mas logo se dedicou ao comércio enchendo de prata várias arcas durante os 15 anos que viveu com Thomas, sobretudo quando este se ausentava no Inverno.
Rua de Santa Clara
Macau era uma espécie de reserva para residência de sobrecargas da Companhia das Índias inglesa durante os seis meses de Primavera e Verão. Isto porque os estrangeiros só estavam autorizados a fazer negócio em Cantão no Inverno. O resto do tempo ficavam em Macau. Não tinham como ir e voltar de barco às suas terras natais nesse “curto” espaço de tempo. Ir para o Extremo Oriente era, sem dúvida, uma forma de enriquecimento rápido mas também se transformava num exílio de 15 a 20 anos, como depreende Coates da leitura do diário de Thomas. Partia-se para a China mais por dever familiar do que por ânsias de aventura e paixão pelo exótico.
Macaense por adopção
A mãe adoptiva da Marta ficcionada, Teresa da Silva, e a filha Dominie, ou mesmo os familiares macaenses, os Gonçalves Sequeira, a quem a órfã mais tarde se une nos negócios, são retratados por Austin Coates como tendo caracteres duvidosos, envenenados pela intriga, a inveja e com uma maneira de estar na vida algo hedonista e interesseira. Porém, não é por causa deste retrato sentencioso dos Filhos da Terra que o padre Manuel Teixeira se insurge contra o escritor britânico à data da publicação do livro City of Broken Promises, em 1967, afirmando que a personagem central do livro nada tinha de “verdadeiro” a não ser o facto de ter existido. Sente-se que na base deste ataque estão sobretudo as descrições do mundo católico de Macau, conforme alude o investigador Rogério Miguel Puga no artigo A Vida e o Legado de Marta da Silva Van Mierop, publicado na Revista de Cultura, em 2007.
Coates dá de facto uma imagem afectada do domínio católico logo nas primeiras páginas do livro (“A terra está infestada de padres (…) a assistir à necessidade espiritual desta pequena comunidade estavam cerca de 90 padres”), isto já para não falar da descrição física do padre Montepardo, qual diabo, mais para o final do livro: “O seu rosto horrível com os seus olhos de tamanhos diferentes”. Como sublinha a historiadora Tereza Sena, do Centro de Estudos das Culturas Sino-Ocidentais do Instituto Politécnico de Macau, para além dos vários poderes que vigoravam em Macau, os estrangeiros ainda se debatiam com o problema da religião, já que tinham um credo diferente. “Não nos podemos esquecer que nesta época ainda não havia liberdade religiosa” em Macau.
Esse poderio católico podia ser desproporcionado, mas a verdade é que naquela altura salvou grande parte da franja bastarda da sociedade de Macau, definindo a identidade de muitos que nasciam fora dos matrimónios. A Igreja Católica e a Misericórdia tiveram aí um papel fundamental, na medida em que ajudaram a legitimar parte do rebento da cultura macaense, ou seja apoiavam as muitas “órfãs” que nasciam das relações clandestinas com mulheres de baixa condição de Macau.
“Não se sabe ao certo qual era a ascendência de Marta, mas parte-se do princípio de que era chinesa”, explica a macaense Cecília Jorge, consultora do Núcleo de Apoio da Misericórdia de Macau. Até “podia ser macaense. Parece ter qualquer coisa de Xangai também. Podia ser euroasiática”, sugere o provedor da SCMM, António José de Freitas.
São necessárias muito mais provas para se falar da origem de Marta mas, para Cecília Jorge, há um ponto assente: “Para se ser macaense não é necessário ter sangue português. O que é importante é a cultura”. No caso da benemérita, a sua fé católica é fundamental, “o que era algo inerente ao macaense”. Por isso, “é mais do que tácito que seja considerada macaense”.
Outro macaense, José Luís de Sales Marques, faz notar que Marta “adopta uma atitude claramente europeia, nomeadamente através da sua relação com o Catolicismo e a maneira de vestir”. No entanto, considera que ela “é uma macaense fora do vulgar, quer pela sua independência em relação ao mundo masculino, reforçada pelas circunstâncias de viver com um sobrecarga que se ausentava regularmente para Cantão, pela sua iniciativa e sagacidade nos negócios e pelo facto de ter de viver escondida do mundo”.
Já a investigadora Ana Maria Amaro se referia aos chineses católicos que eram assimilados pela comunidade macaense como “macaenses por adopção”, o que inclui a benemérita, mesmo que a sua ascendência fosse apenas oriental. Marta também só é conhecida dos portugueses de Macau pois parece que nenhum chinês ouviu alguma vez falar desta mulher, ainda que Coates sugira o contrário. Nem mesmo os especialistas da Associação de História de Macau, consultados para este efeito, têm qualquer conhecimento da sua existência.
Marta era tão ou mais católica que os macaenses. O seu testamento é bem prova disso: “Deus verdadeiro, em quem firmemente creio por ser cristã, e Catholica Romana (…) Eu Marta da Silva Merop, viuva de Thomaz Merop (…) ordeno esta a minha última vontade”. Neste documento deixa expresso o desejo de legar o seu espólio à SCMM, beneficiando ainda o Senado, os seus protegidos e várias instituições, como o Recolhimento de Meninas de Santa Rosa de Lima e o Convento de Santa Clara, e patrocinando até festividades locais. O mesmo documento também refere que se casou com Thomas “à face da Igreja”, ainda que não exista registo do matrimónio, conforme faz notar Puga no seu artigo sobre a benfeitora.
Casamento sem papel
É curioso que nem o próprio Coates os casa pela igreja e este episódio, que até tem o seu fundo de verdade impresso no testamento, é mesmo o único em que o escritor parece desviar-se da realidade, espetando assim mais uma farpa anticatólica, uma das que fez jorrar a tinta da pena de padre Manuel Teixeira em três artigos sobre o tema no jornal Clarim. O enlace do romance acontece numa cerimónia muito privada a dois com uma testemunha acidental e é a partir desta que o leitor espreita a união secreta, assim se ilustra o perigo que representava este casamento. Nas vésperas, o casal tinha recebido a visita do padre Montepardo e a Companhia estava desconfiada de que Thomas planeava casar com Marta. Se o enlace se tornasse público, o inglês perdia o direito à viagem que precisava de fazer para se curar da disenteria que o tinha acometido numa das muitas idas a Cantão.
Os ingleses não podiam ter residência permanente em Macau não podendo, por isso, levar mulheres ocidentais para o território ou para a China, ou mesmo casar com as locais. Claro que nenhum se devotava ao celibato. Todos tinham à partida pensionistas em casa, como Thomas, ou visitavam prostitutas. É um facto que também fazia com que a Macau Setentista fosse extremamente masculina, muito escondida por detrás das portadas ocidentais e dos biombos chineses.
Em City of Broken Promises, Marta nunca manifesta crença no matrimónio. Não tinha por que alimentar os sonhos de casamento nutridos por Thomas, as tais promessas não cumpridas que Coates chama para o título do romance. A grande preocupação da concubina era fazer dinheiro suficiente para que quando ele partisse ela não tivesse de ser entregue, como a casa, a outro estrangeiro. Não é que os ingleses não se apaixonassem pelas suas concubinas. Mas se algum estrangeiro decidisse esposar uma chinesa ou reconhecer a paternidade de um mestiço, a Companhia das Índias inglesa retirava-lhe tudo, criando até impeditivos ao seu futuro na mãe-pátria.
Thomas consegue partir na embarcação da Companhia mas, doente como estava, não sobrevive aos dias de mar e não regressa a Macau, como tinha prometido à sua amada. A notícia da sua morte chega com as suas derradeiras palavras: “Diz-lhe que este é o meu desejo antes de morrer: USA O MEU NOME”. Marta herda assim o nome Mierop, a casa da Rua do Hospital e ainda 10 mil libras que lhe garantiram o resto da vida. Deu bom uso ao dinheiro e lançou-se como armadora, mandando construir uma grande embarcação com o seu nome que se fez bem conhecida no Mar do Sul da China.
O que a notabilizou não foi a sua riqueza, mas sim a benevolência. Sem herdeiros directos, a ex-concubina lega a sua fortuna à SCCM, que era instituição caritativa, testamenteira, seguradora e banco. E fá-lo numa altura em que a instituição estava muito precisada. “Exactamente”, admite o provedor, sublinhando até que “a Santa Casa de Macau nunca recebeu nenhum apoio quer monetário ou de recursos humanos de Lisboa”. Naquela época uma crise afectava as Irmandades de Portugal e dos territórios ultramarinos, conforme lembra Leonor Seabra, que esclarece: “Os irmãos apoderavam-se dos bens da Misericórdia a título de emprestado, tal como os reis, mas eram empréstimos que muitas vezes não tinham retorno”. A mesma historiadora adianta no seu artigo que “as Misericórdias acumularam vastos patrimónios em bens de raiz e móveis, principalmente a partir do século XVII, quando estas instituições obtiveram um maior número de doações, devido à vulgarização da ideia de Purgatório, após o Concílio de Trento”.
O legado de Marta perdurou até ao século XX, em prol da cidade e da igreja, mas gerou disputas por causa dos juros devidos pelo Senado. Também é nesse século que Austin Coates dá o merecido reconhecimento à concubina naquele que é o seu romance mais importante. O sucesso repercute-se depois no palco, quando a história é encenada num musical que abrilhanta um festival de Hong Kong nos anos 1970.
Poderes a chocar no Antigo regime
Um dos grandes valores reconhecidos ao romance histórico de Austin Coates é a forma como caracteriza a Macau do século XVIII. O escritor britânico consegue ilustrar bem o que era o choque de poderes económico, social e político. Na época de Marta da Silva Van Meriop (1766-1828),  “havia a cidade cristã e a cidade chinesa. Na primeira regula o Senado e os poderes portugueses e de luso-descendentes, mas têm de negociar diariamente com as autoridades chinesas”, explica Tereza Sena, investigadora do Centro de Estudos das Culturas Sino-Ocidentais do Instituto Politécnico de Macau.
Há uma série de influências e poderes paralelos que gerem Macau, como o do Mandarim da Casa Branca, a Igreja Católica e as autoridades portuguesas. É que se houvesse problemas, os chineses fechavam as Portas do Cerco e, em Macau, não havia víveres. Aliás, a mesma especialista acredita que “esse argumento foi utilizado ao longo da história como arma de pressão. É que, na realidade, Macau não foi formalmente portuguesa até 1887 (data da assinatura do Tratado de Amizade e Comércio Sino-Português). Antes dessa data e até ao consulado de Ferreira do Amaral, era uma espécie de feitoria em que era permitido aos portugueses lá estar”. O próprio escritor britânico Coates faz referência no romance ao domínio sínico: “Uma Macau onde nenhum chinês pode entrar era uma Macau sem do que viver a não ser a água do poço”.
Tereza Sena afirma que “uma das características dessa sociedade do Antigo Regime, anterior à construção do Estado Moderno, é a pulverização dos poderes, sem supremacia duns sobre os outros, com a Coroa como única figura tutelar em relação a todos. Não existia uma distinção clara entre o público e o privado, nem os poderes estavam organizados tal como estão hoje”. Esta sociedade também se caracteriza pelo “particularismo” e a “isenção”, a que se podia sempre apelar e “as normas nunca eram muito rígidas”. Mas depois as isenções acumulam-se… Certo é que “não podemos olhar para esta realidade com os olhos dos nossos dias pois vivemos num sistema diferente”.
Quando os estrangeiros se começam a estabelecer-se em Macau em meados no século XVIII, “o equilíbrio desestrutura-se mesmo e é preciso arranjar novas formas de coexistência e acomodação”, justifica Sena. Leonor Seabra, directora do Centro de Investigação de Estudos Luso-Asiáticos da Universidade de Macau, afirma no livro A Misericórdia de Macau (séculos XVI a XIX): Irmandade, Poder e Caridade na Idade do Comércio que naquela época o comércio de Macau foi afectado pelo “desenvolvimento da Companhia das Índias Orientais e do country trade dos britânicos, que utilizavam meios mais modernos de crédito”. A Companhia das Índias, operando sob a Royal Charter, viria a deter o monopólio do comércio inglês dos mares do Oriente e transformou-se mesmo na maior organização comercial do mundo. A sua maior fonte de lucro era então o comércio do chá. Apesar do seu crescente poderio no enclave, os estrangeiros eram confrontados com “uma série de proibições das autoridades”.
Segundo as leis chinesas, nenhum estrangeiro podia aprender a língua chinesa ou permanecer em Cantão mais dos que os seis meses da temporada comercial. Também não podiam comprar casa em Macau ou fazer trocas comerciais em nome próprio fora do âmbito da Companhia. Mas claro que o Senado cedia a alguns “pedidos especiais”, explica Sena. Também existiam situações, como a que é retratada no livro de Austin Coates, em que os macaenses faziam de intermediários. “Eles emprestavam nome, tratavam dos alugueres das casas, frete das embarcações para Cantão, e uma série de outros patrocínios”, adianta a historiadora.
Aparte das leis chinesas e desígnios do Mandarim da Casa Branca, das autoridades portuguesas e das regras da própria Companhia, havia ainda um código de costumes de Macau: a China Fashion (à moda da China). Eis algumas das regras que os recém-chegados ingleses tinham de respeitar. Por norma, os sobrecargas herdavam a casa, a mobília, os criados e a concubina do colega da Companhia das Índias inglesa que substituem; as concubinas não podiam ser vistas nas casas dos sobrecargas, pelo que as portadas deviam estar fechadas, tendo estas mulheres de evitar circular na parte da casa que dava para a rua; as concubinas não podiam sair à rua, e não podiam permanecer nas divisões da casa onde estivessem simultaneamente o sobrecarga e os criados.
Texto de Patrícia Lemos. Revista Macau 2014

terça-feira, 14 de abril de 2015

Hotel Estoril transformado em complexo de artes

O Governo tem planos para colocar em marcha uma transformação na zona do Tap Seac, que passará a ser um “complexo de artes”, anunciou ontem Alexis Tam. O “novo plano global” inclui a reforma do antigo Hotel Estoril que se vai tornar num “centro de formação artística”, revelou o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura aos deputados. (...) A ideia base é a de “transformar aquele espaço num complexo com elementos de arte, indústrias criativas, educativas, culturais e recreativas e de lazer, estando também incluído o Conservatório de Macau”, adiantou. (...)
As instalações da Piscina Municipal do Estoril e do antigo Hotel Estoril estavam à espera de plano há vários anos. O hotel, construído na década de 60 e onde Stanley Ho iniciou a sua concessão de jogo, encontra-se encerrado desde os anos 90. A Escola Portuguesa era uma das candidatas a ocupar estas instalações na praça do Tap Seac.
O hotel Estoril foi, até à abertura do hotel Lisboa, em 1970, a grande atracção de Macau. “Para além do jogo, este espaço – um hotel de primeira categoria -, era conhecido pelo excelente restaurante e a banda de música permanente. As festas de casamento das famílias mais ricas tinham aqui lugar, bem como as festas ligadas a datas como a passagem de ano, Natal, Carnaval e Ano Novo Chinês”, lê-se no blogue Macau Antigo sobre este hotel que é um exemplo de arquitectura modernista no território.
in jornal Ponto Final 14.04.2015
Hotel Estoril em 1968. Foto de AJMNSilva

Actualmente...

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Comissão de Estética: 1963

Para "assegurar a defesa da traça arquitectónica" dado o "incremento das construções que nos últimos tempos se tem verificado" foi criada a Comissão de Estética a 31 Maio de 1963 prevista no Diploma Legislativo nº 658 e através do Despacho nº 31 desse ano assinado pelo governador.
Esta comissão incluía representantes das Obras Públicas (o chefe da repartição era o presidente), Serviços de Saúde, Centro de Informação e Turismo, Serviços de Cadastro, representante do Leal Senado, o arquitecto Henrique Mendia e um delegado da associação comercial chinesa, no caso Chui Tak Kei. Seria o governador a decidir em que casos a comissão seria chamada a intervir. Desconheço até quando funcionou este organismo. Sei por exemplo que Francisco de Aquino foi vogal da mesma em 1966/67. Facto é que logo no início da década de 1970 a demolição do edifício onde funcionava o hotel Riviera não foi travada. E foi pena!

domingo, 12 de abril de 2015

Tribunal do Commercio da 1ª Instancia de Macao

"Lista dos Jurados Commerciaes que foram eleitos para servirem no Tribunal do Commercio da 1ª Instancia de Macao n'este corrente ano de 1863 a 1864". 
Da lista fazem parte o Barão de Cercal, Maximiano Remedios, Domingos Pacheco, Gonçalo da Silveira, Marciano da Silva e Bartholomeu Pereira.

sábado, 11 de abril de 2015

Almerindo Leça: 1908-1995

Almerindo de Vasconcelos Lessa, natural do Porto, médico, humanista e professor universitário, esteve ligado a Macau através de vários projectos de investigação na área da antropologia cultural dos trópicos e da biomedicina do sangue. (...) Formado em medicina pela Faculdade de Medicina do Porto, em 1933, foi assistente do Professor Abel Salazar na cadeira de Anatomia Microscópica. Dizia que Abel Salazar, era “a mais poderosa e desconcertante inteligência que até hoje conheci, e sem dúvida a mais chegada a mim, devo a iniciação nos rigores do método experimental, bem como a inquietação científica, um tudo nada céptica, de que padeço ainda hoje”. (...)
Em 1941 funda os Serviços de Sangue nos Hospitais Civis de Lisboa, tendo realizado missões médicas em Goa (1950), em Angola (1950), em Moçambique (1951), em Cabo Verde (1956) e em Macau (1960, 1974 e 1981). (...) O seu doutoramento será em Medicina e Cirurgia, na Universidade do Porto, em 1956, com uma tese sobre “A Individualidade Biológica do Sangue”. O aprofundamento das suas investigações conduzem-no a um outro doutoramento, em 1970, na Universidade de Toulouse, apresentando a tese, “L’Histoire et les Hommes de la Premiére Republique Democratique de L’Orient: Anthropobiologie et Anthroposociologie de Macao”.
A ligação a Macau remonta ao início da década de sessenta quando chefia uma missão sero-antropológica cuja objectivo era estudar as leis genéticas da miscigenação local. Será louvado, mais tarde, em 1962, pelo Governador Jaime Silvério Marques, pela qualidade científico-cultural do trabalho realizado.
Macau começou a apaixonar o cientista, que se revelará um conhecedor profundo da sua plurissecular história. Almerindo Lessa começou a olhar para a história ‘altiva’ do Território, vendo nela insuspeitadas qualidades autonómicas: “Reflectindo no Oriente, é certo, o estilo medieval da Europa, espécie de pequeno estado apenas, por assim dizer, nominalmente sujeito à mãe pátria e até 1585 quase desconhecendo o Vice-Reinado de Goa, ao qual só a ligavam a presença temporária dos capitães da rota do Japão, como sucederia de 1557 a 1625 (o tráfico no Pacífico sendo um negócio da cidade, mas o tráfico com a Europa continuando monopólio real, tanto que os direitos de passagem pelos mares de Goa, devidos ao rei, só seriam perdoados durante as guerras com Castela), os mandarins de Cantão viam, estupefactos, aquela pequena república mercantil olhar de frente os governadores que lhe mandavam, os próprios bispos e até o Rei”.
Chama-nos, igualmente, a atenção para uma diplomacia inovadora nas subtilezas processuais: “De modo igualmente maquiavélico (e durou setenta anos! De 1554 a 1625) tínhamos estabelecido uma governação volante de três capitães: um em terra, outro já no mar a caminho do Japão e o terceiro, também já em rota, desde Goa para Macau, por forma a nenhum estar por mais de dois ou três anos seguidos, o que dava à administração um ar de descontinuidade, de curta permanência no poder, e enganou os chineses que no método só viram a instabilidade governativa própria de uma nação bárbara”.
Com Jacques Ruffié publica em Paris, no ano de 1966, “Le facteur Diego chez les chinois originaires de la province de Kouangtong”.
Em 1967, organizou em Lourenço Marques um importante seminário sobre “Os portugueses, chineses e mestiços luso-tropicais que desde há quase cinco séculos habitavam uma pequena região do Rio das Pérolas”. A essência de Macau estava no mar: a “cidade era um cais. Toda a sua riqueza estava no giro marítimo. Chamava ‘dinheiro vivo’ aos empréstimos que fazia por hipoteca sobre barcos e fretes. Do mar vinha a prosperidade e a conservação”. Recorde-se que, nesse tempo,estava radicada em Moçambique uma numerosa e dinâmica comunidade chinesa.
Retorna a Macau em 1974 para expandir as investigações anteriores. É-lhe cometida a missão de estudar a implementação de uma nova orgânica institucional para a política de saúde e de assistência social. Propõe o Centro Hospitalar Sun Yat Sen. A ideia ficou na gaveta da secretária do governador.
No prestigioso College de France, na qualidade de professor convidado, lecciona um curso sobre a “História do Povoamento Português dos Trópicos”, inteiramente focado no seu trabalho nas missões médicas em Cabo Verde e em Macau.
Em 1977 aceita o desafio de presidir à Comissão Instaladora da Universidade Internacional de Macau, da qual será o Reitor. Vicissitudes diversas ditaram a sua extinção em 1982. O ensino superior em Macau caminhará por outras rotas e com objectivos completamente diferentes daqueles então traçados.
A bibliografia de Almerindo Lessa é tão extensa quanto importante e destaco os seguintes títulos: “Sua Magestade, a Criança”, 1924; “Educação Sexual da Mocidade”, 1934; “As Novas Orientações da Medicina Escolar”, 1937; “Ensaio sobre a Metodologia da Higiene no Ensino Secundário”, 1939; “Uma Urgente Questão Nacional. Da Necessidade de Dignificar a Prática e o Ensino da Medicina na Índia Portuguesa”, 1952; “Exposição de Motivos e Programas para uma Universidade Internacional de Férias – Macau”, 1978; “A História e os Homens da Primeira República Democrática do Oriente. Biologia e Sociologia de uma Ilha Cívica”, 1979; “Universidade Internacional de Macau”, 1980; “Macau – Ensaios de Antropologia Portuguesa dos Trópicos”, 1996.
Entre as suas condecorações, avultam a Legião de Honra, a comenda da Ordem do Infante D.Henrique, a comenda da Ordem de S. Tiago de Espada ou a Medalha de Ouro dos Hospitais Civis de Lisboa. Recebeu os Prémios “Instituto Português do Oriente” e “Nunes Correia Verdades de Faria”. O seu nome integra a toponímia da cidade de Lisboa.
Excertos de um artigo da autoria de António Aresta publicado no Jornal Tribuna de Macau a 20-01-2011